DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Archive for the ‘CHIKUNGUNYA’ Category

IV SEMANA DA SAÚDE NO CAMPUS DA UNESP

leave a comment »

A Fundação Municipal de Saúde participou desta importante iniciativa da universidade com a Vigilância Epidemiológica vacinando e realizando testes de DST e atendimento odontológico móvel.

O Centro de Controle de Zoonoses esteve presente no campus orientando alunos, professores, funcionários e visitantes com exposição sobre animais peçonhentos e diversas arboviroses como Dengue e Febre Maculosa.

1ª GINCANA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SAÚDE

leave a comment »

O acúmulo e o descarte incorreto de materiais, resulta em problema de saúde pública como o aumento de criadouros de mosquitos transmissores da Dengue, Zika e Chikungunya, insetos como baratas e pernilongos além de roedores e animais peçonhentos.

A prevenção destes problemas, além de melhorar a qualidade de vida dos moradores, diminui significativamente  custos públicos em razão de ser  muito menor  frente ao tratamento de doenças.

Neste sentido um grupo com representantes da Educação, Saúde e do Legislativo está organizando a 1ª Gincana Ação Ambiental e Saúde com o intuito de recolher, orientar e manter limpos os bairros com maior índice de casos de dengue, roedores e peçonhentos.

Dos 147 bairros do município, o Bom Retiro será o primeiro a receber a Gincana em razão do montante de materiais descartados em quintais, ruas e terrenos, que tem resultado em alto índice larvário, positivos de Dengue e aparecimento de escorpiões; além de estender as ações preventivas  para os bairros próximos como o Bonsucesso e Novo Wenzel.

Se chover o evento será transferido.

Por que mosquitos picam mais algumas pessoas que outras

leave a comment »

Os mosquitos, machos e fêmeas, poderiam viver sem picar outros animais. Mas as fêmeas precisam do sangue para completar seu ciclo reprodutivo

Os mosquitos e as doenças que eles transmitem já mataram mais pessoas do que todas as guerras da história humana juntas.

As estatísticas indicam que o mosquito é, de longe, a criatura mais mortal do mundo para os seres humanos. Somente em 2018, o inseto foi responsável por cerca de 725 mil mortes.

Naquele mesmo ano, o segundo animal mais mortal foram exatamente os seres humanos, causando a morte de 437 mil semelhantes. E fomos seguidos (com larga distância) pelas agressões combinadas de cobras, cachorros, caracóis venenosos, crocodilos, hipopótamos, elefantes, leões, lobos e tubarões.

Esta situação naturalmente é preocupante e levou a Assembleia Mundial da Saúde – evento anual de tomada de decisões da Organização Mundial da Saúde (OMS) – a aprovar, em 2017, a Resposta Global para o Controle de Vetores (GVCR, na sigla em inglês) 2017-2030. Trata-se de uma atuação dirigida a orientar estrategicamente os países para o fortalecimento urgente do controle dos vetores, entre os quais se destacam os mosquitos.

Esta percepção é fundamental para evitar doenças e reagir aos surtos infecciosos emergentes. Afinal, os mosquitos podem transmitir inúmeras doenças, como a febre do Nilo ocidental, zika, dengue, febre amarela, chikungunya, encefalite de São Luís, filariose linfática, encefalite La Crosse, doença de Pogosta, febre oropouche, doença do vírus Tahyna, febre do vale do Rift, infecção pelo vírus do bosque Semliki, febre de Sindbis, encefalite japonesa, febre do rio Ross, febre do bosque Barmah ou malária – esta, responsável por 627 mil mortes, apenas em 2020.

Daí vem o interesse em entender o que faz com que os mosquitos decidam picar justo a nós e não à pessoa ao nosso lado.

Dióxido de carbono e odores corporais

Os mosquitos, machos e fêmeas, poderiam viver sem picar outros animais. Mas as fêmeas precisam do sangue para completar seu ciclo reprodutivo.

Há quase um século, o dióxido de carbono (CO2) foi identificado como sendo atraente para os mosquitos. E esse gás foi empregado para capturar as fêmeas dos mosquitos, que procuram o sangue necessário para adquirir nutrientes para a ovogênese – a geração de ovos.

Mas não existem evidências disponíveis que indiquem que o CO2 atue como medidor do diferencial de atração. Também os níveis de emissão de dióxido de carbono não explicam por que os mosquitos preferem sistematicamente uma pessoa em vez da outra. Qual é o motivo, então?

Existem outros sinais físico-químicos que condicionam a atração do mosquito por pessoas determinadas, particularmente o calor, o vapor d’água, a umidade, sinais visuais e, o mais importante, os odores exalados pela pele.

Ainda não se sabe ao certo quais aromas atraem mais os mosquitos, mas diversos estudos indicam moléculas como indol, nonanol, octenol e ácido láctico como principais suspeitos.

Uma equipe de pesquisadores chefiada por Matthew DeGennaro, da Universidade Internacional da Flórida, nos Estados Unidos, identificou um receptor de odor único, conhecido como receptor ionotrópico 8a (IR8a), que permite que o mosquito Aedes aegypti identifique o ácido láctico. Como se sabe, esse mosquito é o transmissor da dengue, da chikungunya e da zika.

Quando os cientistas promoveram uma mutação do receptor IR8a, encontrado nas antenas dos insetos, descobriram que os mosquitos eram incapazes de detectar o ácido láctico e outros odores ácidos exalados pelos seres humanos.

Acetofenona: o ‘perfume’ que atrai os mosquitos

Uma pesquisa recente indicou que os vírus da dengue e da zika alteram o odor de ratos e seres humanos infectados, para torná-los mais atraentes para os mosquitos. É uma estratégia interessante, pois contribui para que os insetos piquem o hospedeiro, retirem seu sangue infectado e transportem o vírus para outro indivíduo.

Os vírus conseguem fazer isso modificando a emissão de uma cetona aromática – a acetofenona – que é especialmente atraente para os mosquitos.

Normalmente, a pele dos seres humanos e roedores produz um peptídeo antimicrobiano que limita as populações bacterianas. Mas comprovou-se que, em ratos infectados com dengue ou zika, a concentração desse peptídeo é reduzida, e proliferam-se bactérias do gênero Bacillus, que ativam a produção de acetofenona.

Nos seres humanos, ocorre um fato similar: odores coletados das axilas de pacientes com dengue continham mais acetofenona que os de pessoas saudáveis.

O interessante é que isso pode ser corrigido. Alguns dos ratos infectados com dengue foram tratados com isotretinoína, que reduziu as emissões de acetofenona. Com isso, os ratos ficaram menos atraentes para os insetos.

Micróbios que alteram o odor

Este não é o único caso em que um micro-organismo manipula a fisiologia dos mosquitos e de seus hospedeiros humanos para favorecer sua transmissão.

As pessoas infectadas pelo parasita causador da malária, Plasmodium falciparum, por exemplo, são mais atraentes que os indivíduos saudáveis para os mosquitos Anopheles gambiae, vetores da doença.

O motivo ainda é desconhecido, mas pode estar relacionado ao fato de que Plasmodium falciparum produz um precursor isoprenoide, chamado pirofosfato de (E)-4-hidróxi-3-metilbut-2-enila (HMBPP, na sigla em inglês). Esse precursor afeta os comportamentos de busca e alimentação de sangue do mosquito, bem como sua susceptibilidade à infecção.

Concretamente, o HMBPP ativa os glóbulos vermelhos humanos para aumentar a liberação de CO2, aldeídos e monoterpenos, que juntos atraem com mais força o mosquito e o convidam a “chupar nosso sangue”.

E a adição de HMBPP a amostras de sangue aumenta significativamente a atração despertada em outras espécies de mosquitos, como Anopheles coluzziiAnopheles arabiensisAedes aegypti e espécies do complexo Culex pipiens/Culex torrentium.

Compreender quais são os fatores intervenientes na preferência manifestada pelos mosquitos para picar esta ou aquela pessoa ajudará a determinar e reduzir o risco de propagação de doenças infecciosas transmitidas por vetores.

* Raúl Rivas González é professor de Microbiologia da Universidade de Salamanca, na Espanha.

Este artigo foi publicado originalmente no site de notícias acadêmicas The Conversation e republicado sob licença Creative Commons. Leia aqui a versão original em espanhol.

– Texto originalmente publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62153902

Centro de Controle de Zoonoses participa do “Projeto Stop Aedes”

leave a comment »

Alunos da E.E. Chanceler Raul Fernandes estão participando do “Projeto Stop Aedes”, organizado pelos professores de biologia Caroline Rodrigues de Souza Stencel e Giovane Ícaro Alves.

O Centro de Controle de Zoonoses foi convidado para uma palestra sobre o mosquito Aedes aegypti, vetor de diversas arboviroses como: dengue, zika, chikungunya, febre amarela e febre mayaro.

O objetivo é que após a apresentação, os alunos repassem as informações recebidas a outros colegas e organizem ações preventivas na escola e que sejam estendidas às famílias.

A conscientização e a participação de toda sociedade, é fundamental para o controle de criadouros e consequentemente, dos mosquitos e das doenças que eles podem transmitir.

Chikungunya pode causar comprometimento cognitivo em idosos e ser fator de risco para demência

leave a comment »

Os resultados da pesquisa demonstraram, pela primeira vez, declínio significativo dos processos cognitivos nesse público

f

De modo geral, os extremos de idade são os períodos da vida associados a alta suscetibilidade a doenças. Na população acima dos 65 anos, várias razões contribuem para esse fato, como sistema imunológico mais comprometido e diminuição de algumas funções fisiológicas. Sabe-se, por exemplo, que a persistência dos sintomas da doença causada pelo vírus chikungunya (CHIKV)  é preocupante nesse público, em parte devido à maior associação com distúrbios osteomusculares crônicos, frequentes nessa faixa etária. Agora, um recente artigo publicado na revista Frontiers in Psychiatry intitulado Cognitive Dysfunction of Chikungunya Virus Infection in Older Adults, revelou, pela primeira vez, que a infecção pelo vírus pode causar declínio cognitivo a longo prazo em idosos e ser um fator de risco para demência futura nesse público. Os cientistas promoveram um estudo transversal, por meio de avaliações clínicas, neuropsicológicas e geriátricas.

A pesquisa, realizada em 2019, analisou 121 idosos voluntários na faixa etária entre 60 e 90 anos, sendo 95 deles acometidos pela doença em Natal (RN) em média seis meses antes. Os outros 26, entraram para o grupo controle, no qual ninguém havia sido infectado. O Dr. Kleber Luz, infectologista do Hospital Universitário Onofre Lopes, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Huol/UFRN), um dos coordenadores do estudo, explica que o objetivo do estudo foi avaliar o impacto em uma população mais idosa e para isso questionários estruturados foram aplicados a um grupo afetado pela chikungunya e a um grupo saudável com idade correspondente foi usado como grupo controle. Ainda segundo o Dr. Luz, estes questionários utilizados e aplicados aos casos e controles, chamados Pfeffer’s Functional Activities Questionnaire (FAQ) e Geriatric Depression Scale (GDS), são ferramentas previamente já utilizadas na prática da avaliação cognitiva dos pacientes geriátricos. O estudo também submeteu os voluntários a uma avaliação médica e depois a uma bateria de testes, organizada por uma equipe de psicólogos da UFRN.

Algumas pacientes acometidos pela febre chikungunya relataram perda da capacidade de concentração, de atenção, além de lapsos de memória e isso foi atribuído ao alzheimer quando poderia ser uma das sequelas provocadas pelo vírus CHIKV. “Estas perdas da capacidade cognitiva foi mais evidente no grupo acometido pelo vírus chikungunya. Estabelecendo uma relação temporal entre o evento chikungunya e a perda da capacidade cognitiva”, ressalta o Dr. Luz. De acordo com o estudo, dois terços dos participantes tinham queixas subjetivas de memória, e 68% deles estavam preocupados com essa questão, embora apenas 44% tivessem relatado que a queixa de memória começou no último ano. Uma dessas avaliações foi o teste cognitivo Montreal, conhecido pela sigla em inglês MoCA. Ao longo do período de pesquisa, enquanto a idade foi mantida constante, a infecção pelo vírus chikungunya foi associada a um aumento de 607,29% na chance de ter o desempenho no MoCA considerado prejudicado ou em declínio quando comparado ao grupo com os controles saudáveis.

O Rio Grande do Norte foi um dos estados com maior prevalência de casos de chikungunya, que afetou muitos idosos. Em 2019, registrou mais de 12 mil casos, com média de 348 a cada cem mil habitantes, ficando atrás somente da incidência no Rio de Janeiro. Na fase aguda houve manifestação de doenças graves no sistema neurológico, como meningite. Alguns pacientes idosos relataram perda da capacidade de concentração, de atenção, além de lapsos de memória.

O infectologista destaca ainda que a motivação para a realização do estudo foi a regra geral de que doenças infecciosas de uma forma geral são capazes de produzir impactos sobre o sistema nervoso central. “Estes impactos podem ter uma curta duração ou serem prolongados. Por exemplo, há relatos de que mulheres acometidas por dengue podem desenvolver quadro depressivo por até dois anos, mas, na prática, os autores perceberam que pacientes no pós-chikungunya agudo se queixavam de uma redução da capacidade cognitiva”, justifica.

Questionado de que forma os resultados podem ajudar no debate sobre o envelhecimento da população e aumento de demências, o Dr. Luz é categórico ao afirmar que os achados podem colaborar para que medidas preventivas de doenças transmitidas por mosquitos possam de certa forma impactar na redução de casos de perda cognitiva, principalmente nos casos que ocorrem na população idosa. “De uma forma clara as demências estão relacionadas a fenômenos já esclarecidos de deposição ou acúmulo de determinadas substâncias químicas, todavia a ocorrência de uma enfermidade infecciosa ou principalmente tropical poderá agravar os casos de demência principalmente em áreas que já tem um grave comprometimento dos recursos financeiros”, conclui.

Casos de demência devem quase triplicar até 2050

No ano de 2018 foram registrados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o total de 28 milhões com 60 anos ou mais, sendo 13% do total populacional do Brasil que era de 209,5 milhões. De acordo com a prevalência estimada (8,5%), do total de 28 milhões (≥60), seriam quase 2,38 milhões de indivíduos com demência no Brasil. Para 2028, a previsão é de que esse número ultrapasse os 3.27 milhões, o que significa quase 1 milhão a mais em 10 anos. Em 2042, o número deve dobrar, passando de 4.76 milhões.

Os números são ainda mais assustadores para 2050, quando mais de 153 milhões de pessoas poderão ter demência, de acordo com o alerta dos pesquisadores no estudo intitulado Estimation of the global prevalence of dementia in 2019 and forecasted prevalence in 2050: an analysis for the Global Burden of Disease Study 2019 publicado na revista científica The Lancet Public Health. Em 2019, o número era de 57 milhões. No Brasil, previsão é que se chegue aos 5,6 milhões. Em 2019, o número era de 1,8 milhão. A pesquisa, que analisa dados de 195 países, busca dar aos governos uma ideia de quais medidas podem ser necessárias.

De acordo com o artigo Dementia in Latin America: An Emergent Silent Tsunami, publicado na revista Frontiers in Aging Neuroscience, em 2016, as previsões sugerem que, em 2050, o número de pessoas com 60 anos aumentará em 1,25 bilhão, com 79% vivendo nas regiões menos desenvolvidas do mundo.

Com expectativa de vida de 76,8 anos, o Brasil tem cada vez mais idosos e os dados de pesquisas epidemiológicas nacionais e internacionais visualizam uma prevalência global elevadíssima de demência. Por isso, é urgente o debate e o planejamento estratégico para a melhor utilização das informações obtidas pelo estudo. A discussão desses dados com os gestores de saúde em todos os níveis de atuação: município, estado e governo federal, pode ajudar a planejar ações e políticas públicas em formato de protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas, pois a população brasileira está envelhecendo.

Sobre a doença

A doença causada pelo vírus Chikungunya é uma arbovirose transmitida pelo Aedes aegypti, porém o Aedes albopictus também pode transmitir. Os principais sintomas, além da febre, náuseas, vômitos, possui como principal característica a forte dor nas articulações, que pode, inclusive, ser incapacitante e durar meses ou até anos após o quadro agudo, com um curso muito semelhante ao da artrite reumatoide. O tratamento tradicional é feito de acordo com os sintomas, com o uso de analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios para aliviar febre e dores. Entretanto, o tratamento necessita de adequado, e nem sempre fácil, manejo de analgésicos, em alguns casos com o uso conjunto de imunomoduladores. É comum que as dores nas juntas permaneçam por um certo tempo, mesmo após a eliminação dos outros sintomas. Por isso, em alguns casos é recomendada fisioterapia. O acompanhamento é realizado idealmente por um médico reumatologista. Outras complicações e óbitos são incomuns e estão associados principalmente a manifestações raras, como o acometimento do sistema nervoso central.

Fonte : SBMT – Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

E.M. VICTORINO MACHADO REALIZA AÇÕES CONTRA MOSQUITOS

leave a comment »

Alunos do PEI – Programa de Educação Integral da Escola Victorino Machado estão realizando várias atividades para prevenção de arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

O setor de Educação e Comunicação do CCZ foi convidado para palestra orientando sobre os hábitos e curiosidades sobre o inseto.

Após a apresentação as crianças realizaram trabalhos de artesanato, produziram larvicida natural para utilização em suas residências e confeccionaram folhetos para distribuição na vizinhança.

A conscientização de toda comunidade é fundamental para o controle dos criadouros de mosquitos e consequentemente da transmissão da Dengue, Zika, Chikungunya, Febre Amarela e Febre Mayaro.

ALUNINHOS DA E.M.BENJAMIM FERREIRA APRENDEM SOBRE MOSQUITOS

leave a comment »

O setor de Educação e Comunicação esteve na E.M.Benjamim Ferreira para ensinar sobre o mosquito Aedes aegypti e as doenças que eles podem transmitir

O objetivo é o conhecimento de onde mosquitos botam seus ovos, a prevenção de arboviroses através da eliminação de seus criadouros e a disseminação destes ensinamentos para toda a família.

A palestra foi ministrada com o auxílio da mosquita marionete, de forma lúdica, para melhor entendimento das crianças de 03 a 05 anos.

Após a apresentação, as crianças assistiram filme de animação e receberam revistas da turma da Mônica contra o Aedes.

CCZ VISTA PROJETO BEIJA FLOR PARA ORIENTAÇÃO SOBRE MOSQUITOS E DENGUE

leave a comment »

O Projeto Beija-Flor, anexo ao CRAS Independência, realiza reuniões semanais para o setor da Melhor Idade.

Aproveitando o momento, os organizadores convidaram o setor de Educação e Comunicação do CCZ para orientar os participantes sobre os cuidados para evitar a Dengue e outras arboviroses como a Zika e Chikungunya.

Com muito interesse e simpatia do público, as informações da palestra foram complementadas com folhetos que levaram para compartilhar com seus familiares.

CCZ NA ESCOLA MARCELO SCHMIDT

leave a comment »

Alunos do EJA – Educação de Jovens e Adultos – da Escola Marcelo Schmidt estão estudando os problemas ocasionados pelo descarte incorreto de lixo e o CCZ foi convidado a complementar estas orientações com palestra que aborda animais e doenças relacionados à estas ações.

Após a palestra, os alunos puderam observar animais peçonhentos recolhidos em residências de nossa cidade

Índice de larvas do Aedes cresce nas casas de Rio Claro e município está em alerta para a dengue

leave a comment »

Registro chegou a 3,83, com larvas do mosquito em 128 das 138 amostras coletadas. Acima de 4 representa risco de epidemia, segundo a OMS.

Com alto índice de densidade larvária do mosquito Aedes Aegypti, Rio Claro está em situação de alerta para a dengue.

Das 138 amostras coletadas em 2,5 mil casas, entre os dias 4 e 11 de abril, apenas 10 não tinham larvas do mosquito, gerando índice de 3,83, conforme classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS). O levantamento anterior, realizado em janeiro, foi de 3,66.

Diante desse cenário, tem intensificado as ações de combate ao mosquito, percorrendo as ruas do município, que soma 124 casos da doença neste ano.

Ações

Com o alerta, a cidade faz ações como a nebulização. O alvo são os bairros com maior incidência de casos positivos da doença, como o Universitário.

Os agentes passam de casa em casa para aplicar o produto. “A gente tem a equipe com 3 pessoas. As meninas abordam para que a população abra a residência, tanto janelas e portas, para o veneno entrar e matar o mosquito”, disse a chefe da seção de endemias, Valdirene Bordim.

“A gente sabe que acima de 4 corre-se o risco de uma epidemia. A população precisa tomar o cuidado de eliminar os criadouros, não pode partir só do poder público. Dentro das residências foram encontrados muitos locais onde o mosquito está se proliferando. Para não ter a epidemia, precisa ter esse controle e diminuir o foco dos criadouros”, destacou a diretora de Vigilância em Saúde, Susi Berbert.

De acordo com OMS, os índices são classificados como:

  • inferiores a 1%: satisfatórios;
  • 1% a 3,9%: situação de alerta;
  • superiores a 4%: risco de surto.

SINTOMAS E TRATAMENTO DA DENGUE

Existem quatro tipos de vírus de dengue – sorotipos 1, 2, 3 e 4. A dengue é caracterizada pelos seguintes sintomas:

  • febre
  • dor no corpo
  • dor de cabeça
  • dor atrás dos olhos
  • manchas pelo corpo
  • mal estar
  • falta de apetite

É essencial fazer tanto um diagnóstico clínico – que avalia os sintomas – como o exame laboratorial de sorologia, que verifica a contagem de hematócritos e plaquetas no sangue. A contagem de hematócritos acima do normal e de plaquetas abaixo de 50 mil por milímetro cúbico de sangue pode ser um indício de dengue.

VEJA 10 DICAS PARA PREVENIR OS CRIADOUROS DO AEDES:

  • Cobrir caixas d’água, cisternas, poços e evitar entupimentos de calhas.
  • Vedar com cimento os cacos de vidro nos muros que podem acumular água.
  • Colocar em sacos plásticos, fechar e colocar no lixo copos descartáveis, embalagens, tampas, cascas de ovo e tudo que possa acumular água.
  • Não deixar pneus expostos ao tempo, nunca permitindo acúmulo de água dentro deles.
  • Usar cloro em piscinas, limpá-las com frequência e cobri-las quando não estiverem em uso.
  • Limpar as bandejas externas das geladeiras e ar-condicionado.
  • Esvaziar garrafas, latas e baldes. Guardá-los em local coberto.
  • Guardar garrafas pet e de vidro sempre com a boca para baixo. Guardá-las em local coberto.
  • Lavar semanalmente, com bucha, sabão e água corrente, os vasilhames de alimentação de animais.
  • Lavar os pratinhos dos vasos de plantas e colocar areia até a borda. Evitar plantas como as bromélias, que acumulam água.

Fonte: G1