DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Archive for the ‘febre amarela’ Category

CCZ PARTICIPA DE CICLO DE PALESTRAS NA GUARDA MUNICIPAL

leave a comment »

A Guarda Civil Municipal de Rio Claro está realizando um ciclo de palestras para seus profissionais, visando a capacitação para uma melhor qualificação e eficiência nos serviços prestados pelos GCM’s.

O setor de educação e comunicação do Centro de Controle de Zoonoses participou com a palestrante Solange Mascherpe ministrando os temas: Lixo = Bicho – Animais e doenças relacionadas ao descarte incorreto de lixo, Febre Maculosa e Posse Responsável de Animais. Assuntos pertinentes aos trabalhos diários das equipes da guarda.

Respeitando normas preventivas contra o Covid, como distanciamento, utilização de máscaras e higienização das mãos, as turmas foram divididas e as palestras foram realizadas durante dois dias para evitar assim, uma maior aglomeração.

Após o encerramento, os integrantes receberam certificados de participação.

Nossos agradecimentos ao comando da Guarda Civil Municipal pelo convite e oportunidade às informações; importantes parcerias para o desenvolvimento dos colaboradores e dos serviços públicos.

Água sanitária é uma ótima ‘arma’ contra o mosquito Aedes aegypti

leave a comment »

O hipoclorito de sódio se mostra eficaz para matar as larvas do mosquito que transmite dengue, zika, febre amarela e chikungunya

Os ralos dos banheiros também podem ser foco para proliferação das larvas do mosquito Aedes aegypti. Por isso, eles precisam ser constantemente limpos com água sanitária

O combate à larva do Aedes aegypti, no Brasil, é uma questão tão séria que se transformou quase uma “guerra”. Além da conscientização das pessoas em relação aos perigos de deixar água parada em casa, é importante saber como inibir o crescimento dos mosquitos. Uma solução é o uso da famosa água sanitária (hipoclorito de sódio diluído). Além das doenças causadas pelo Aedes (dengue, zika, febre amarela e chikungunya), a substãncia ajuda a prevenir contra leptospirose, hepatites A e E e gastroenterites.

“O produto é capaz de matar a maior parte de germes e bactérias causadores das doenças transmitidas pela água contaminada das enchentes. Além disso, é de fácil acesso à população e tem baixo custo”, explica o médico toxicologista Flavio Zambrone, da Associação Brasileira da Indústria de Cloro, Álcalis e Derivados (Abiclor).

Uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP), a pedido da Abiclor, comprovou a eficácia do hipoclorito de sódio no combate às larvas do mosquito Aedes aegypti. O estudo, realizado entre abril e maio deste ano, descobriu que a água sanitária possui eficácia média de 75% por um período de até 120 horas.

Nas primeiras 24 horas do experimento, houve uma eficiência do hipoclorito de sódio na mortalidade dos mosquitos em diferentes concentrações (1 ml, 2 ml e 3 ml por litro de água). A dosagem de 2 ml/l de água foi a que apresentou a maior porcentagem de mortalidade larval, chegando a 75 no intervalo de 24 horas.

Já em 48 horas, observou-se um aumento no índice de eficiência de mortalidade das larvas, que alcançou 92,5% no tratamento com 3 ml/l de água sanitária.

No teste adicional com uma dose de 4 ml/l, duas vezes superior à recomendada, a mortalidade foi de 80% em 24 horas. “Portanto recomenda-se o uso de uma dose de 10 ml/l para matar 100% das larvas do mosquito em 24 horas”, diz o professor Valter Arthur, da USP, responsável pela pesquisa sobre o combate ao Aedes.

Dicas de uso da água sanitária:

  • Ralos: despeje uma solução de água sanitária na proporção de uma colher de sopa por litro de água em ralos de pias, banheiros e cozinha. Faça a limpeza à noite, antes de dormir, para que o produto possa agir por mais tempo
  • Plantas: use uma colher de sopa de hipoclorito de sódio por litro de água também para a rega de plantas, particularmente as que acumulam água entre as folhas, como as bromélias. Conforme a associação, essa solução não faz mal às plantas e evitará o desenvolvimento da larva do mosquito
  • Vaso sanitário: coloque o equivalente a duas colheres de água sanitária por litro de água no vaso sanitário. Esse é um cuidado que se deve ter especialmente antes de viajar, já que é um período em que a casa estará fechada e o banheiro não será usado
  • Piscina: é importante manter a piscina tratada, mesmo que não esteja sendo usada. Com o tempo, o cloro pode evaporar, e a piscina se torna um foco da larva do Aedes. Durante o inverno, por exemplo, é comum deixar a piscina coberta. Neste caso, não deixe acumular água de chuva na lona de cobertura, pois pode ser um foco do mosquito
  • Caixas d’água: a limpeza deve ser feita a cada seis meses. Feche a entrada de água e esvazie a caixa quase toda. Deixe sobrar água suficiente para lavar, com uma escova, as paredes e o fundo. Não use produtos de limpeza nesta etapa. Enxágue bem e esvazie toda a água suja. Depois de limpa, encha a caixa novamente e adicione um litro de água sanitária para cada mil litros de água. Espere duas horas e esvazie novamente a caixa, abrindo todas as torneiras, para limpar os canos da casa, até sair água limpa. Depois, encha com água potável e tampe
  • Verduras, frutas e legumes: coloque água misturada com hipoclorito de sódio numa bacia plástica, na proporção de uma colher de sopa (15 ml) de água sanitária para cada litro de água. Lave as verduras, frutas e legumes com água corrente em abundância e depois mergulhe por 30 minutos essa solução, agitando ocasionalmente. Passado esse tempo, lave novamente a verdura, fruta ou legume na torneira tirando o excesso de água sanitária.

Fonte: Revista Encontro

PREVENÇÃO CONTRA MOSQUITOS NOS CEMITÉRIOS

leave a comment »

Ações preventivas em relação a criadouros de mosquitos foram realizadas nos cemitério da cidade

No Dia das Mães, aqueles que não podem mais abraçá-las pessoalmente, visitam seus túmulos nos cemitérios da cidade.

Visando que os números de criadouros do mosquito Aedes aegypti  não aumentem após estas visitas aos entes queridos, a Fundação Municipal de Saúde, através do Centro de Controle de Zoonoses distribuiu faixas e alertas fixados em locais visíveis nos cemitérios.

A recomendação para as pessoas que foram homenagear os mortos enfeitando com flores seus túmulo era para que retirassem as embalagens plásticas que envolvem os vasos, colocando-as nas lixeiras espalhadas pelos cemitérios.

A água parada em pequenos locais pode servir de abrigo para os ovos e larvas de mosquitos.

É importante  a população ter conhecimento de  que  estes saquinhos, assim como os pratinhos de plantas são reservatórios de água e acabam criando as larvas do mosquito Aedes aegypti.

Mesmo as embalagens “amarradas” servem de criadouros.

Ovos de aedes podem ficar até 450 dias em locais secos. Um ano e meio depois de depositados, ao terem contato com água, eles eclodem.

Equipes de gentes estiveram durante todo o domingo nos cemitérios orientando visitantes sobre cuidados preventivos no local e auxiliando a população na remoção de embalagens plásticas.

Jogar o lixo nos locais adequados e não deixar acumular água são ações  simples e eficazes para evitarmos uma epidemia em nossa cidade.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CCZ ORGANIZANDO AÇÕES CONTRA DENGUE

leave a comment »

Antes da retomada de aulas presenciais, secretarias municipais planejam ações de prevenção às arboviroses transmitidas por mosquitos

Alunos da rede municipal ainda não estão frequentando as escolas, mas além do currículo educacional, a Secretaria de Educação já organiza ações de prevenção à Covid-19 e às arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, como a Dengue e Chikungunya, antes do retorno definitivo às aulas presenciais.

A secretária de Educação Valéria Vellis , o coordenador Edison Norberto de Andrade , do Centro de Aperfeiçoamento Pedagógico da Coordenadoria Ambiental e Solange Mascherpe representando o Centro de Controle de Zoonoses, estiveram reunidos nesta quarta-feira, 27, organizando ações para eliminação de criadouros nos prédios das escolas com o objetivo de inibir o nascimento de mosquitos e a transmissão das doenças como: Dengue, Zika , Chikungunya e Febre Amarela.

Além das atividades pedagógicas, que visam a conscientização das crianças no controle e prevenção das arboviroses e divulgação junto às famílias, a Secretaria organiza equipes de Brigadistas contra o Aedes, que são funcionários responsáveis por procurar e eliminar criadouros de mosquitos nos prédios da educação.

O Portal da Educação também estará disponibilizando informações preventivas aos professores e funcionários das instituições de ensino.

O município encerrou o ano de 2020 com 1.177 casos positivos de Dengue e a possibilidade de novos casos aumenta com a chegada do período de chuvas e altas temperaturas, o que faz com que a cooperação de toda sociedade na eliminação de criadouros seja efetiva na prevenção à novas epidemias.

TRABALHOS DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES

leave a comment »

O Centro de Controle de Zoonoses é um departamento da Fundação Municipal de Saúde que tem como função cuidar das doenças (noses) que os animais (zoo) transmitem, como dengue, raiva, leptospirose, leishmaniose, entre outras.

Animais peçonhentos (que não transmitem doenças mas são um problema considerável para a saúde pública) também é um trabalho realizado, com identificação das espécies e orientações preventivas aos moradores.

 O serviço de recolhimento, identificação e envio para análise de Raiva, estende-se aos morcegos. Quando encontrado um exemplar contaminado, é realizada vacinação em todos os animais da área e observação de animais e humanos por dez dias. A aplicação de vacina antirrábica é realizada diariamente no CCZ e são realizadas campanhas anuais com pontos fixos nos bairros e zona rural.

A desratização é realizada gratuitamente através de raticidas aplicados nas residências após solicitação através da Ouvidoria Municipal : 3526-7105; os agentes colocam as iscas em locais onde crianças e animais domésticos não tem acesso e voltam para monitoramento. Este trabalho também é realizado nos mais de 3000 bueiros da cidade.

              O mosquito palha, transmissor da da Leishmaniose é monitorado com armadilhas que são montadas na zona rural e urbana, onde são identificados focos para controle juntamente com a SUCEN.

                Pombos, Piolhos, Carrapatos e Caramujos Africanos tem atenção especial pelo número de doenças que transmitem e  a facilidade de multiplicação. Os agentes orientam sobre desinfecção de ambientes infestados e armadilhas para os caramujos com descarte correto.

               Agentes de Endemias realizam busca ativa de criadouros do mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya, Zika e Febre Amarela em casas e comércio, os agentes de vetores trabalham com a busca ativa em pontos estratégicos como ferro velhos, borracharias, indústrias e realizam nebulização para controle epidêmico.

Com o objetivo de ampliar as informações pertinentes aos serviços desenvolvidos no setor da saúde do município e considerando a importância de informar sobre as ações humanas e suas consequências para consigo, para sua própria espécie, para outros seres vivos e o ambiente, o setor de Educação e Comunicação do CCZ, ministra palestras em escolas, empresas, projetos, igrejas, etc, a fim de prevenir sobre diversas zoonoses  e a posse responsável de animais. Estas importantes informações são compartilhadas também nas redes sociais como Facebook, Twitter , Instagram e Blog.

Confira os números dos trabalhos do CCZ durante o ano de 2020:

Castrações

Total Animais Agendados …………………….. 3.485

Total Animais Castrados ………………………  3.038

Raticida …………………………………………….. 1.778

Vacinas cães e gatos ……………………………. 2.971

Dengue / Ouvidoria ……………………………….. 611

Obs. Animais agressores ………………………… 514

Vistorias Imóveis Estratégicos – IE – …………. 310

Vistorias Pontos Estratégicos – PE – ………….1.275

Equinos / Obs.Raiva …………………………………. 06

Cobras …………………………………………………… 04

Caramujos ……………………………………………… 45

Escorpiões ………………………………………………126

Galináceos ………………………………………………. 31

Morcegos Orientações ………………………………. 65

Morcegos Captura ……………………………………. 64

Pombos ………………………………………………….. 56

Insetos /Carrapatos ………………………………… 128

Leishmaniose …………………………………………… 69

Arboviroses : Combate às Endemias

Imóveis percorridos …………………………………………. 244.562

Imóveis Trabalhados ………………………………………… 131.605

Arboviroses: Controle de Vetores

Nebulização ……………………………………………………….. 9.820

Vistoria em obras …………………………………………………….. 66

Educação e Comunicação

Eventos e Palestras …………………………………………….. 28.443

Redes Sociais / Acessos …………………………….média   30.000

Repelentes – Saiba quais, como e quando usá-los

leave a comment »

Por que  doentes com dengue devem passar repelentes se já estão infectados?

Quando infectados pelo vírus da Dengue, Zika ou Chikungunya, o doente transmite  o vírus para os mosquitos,  um dia antes de apresentar  sintomas até o sexto dia destes. Um dia antes , não tem como saber; mas iniciados os sintomas como: febre, dor no corpo, nos olhos e falta de apetite, é fundamental passar o repelente para não transmitir a outros mosquitos e assim, contaminar familiares e vizinhos.

 

 

Os repelentes de uso tópico, aplicado na pele, podem fazer parte dos cuidados contra dengue, chikungunya e Zika. A recomendação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária ) é clara: não há qualquer impedimento para a utilização desses produtos por mulheres grávidas, desde que os repelentes estejam devidamente registrados na Agência. As recomendações de uso descritas no rótulo de cada produto devem ser seguidas à risca. Os produtos à base de DEET não devem ser usados em crianças menores de dois anos. Entre 2 anos e 12 anos, a concentração máxima do produto deve ser de 10% e a aplicação deve se restringir a três vezes por dia. Alguns cuidados devem ser observados no uso:

  • Repelentes devem ser aplicados nas áreas expostas do corpo e por cima da roupa;
  • A reaplicação deve ser realizada de acordo com indicação de cada fabricante;
  • Para aplicação da forma spray no rosto ou em crianças, o ideal é aplicar primeiro na mão e depois espalhar no corpo, lembrando sempre de lavar as mãos com água e sabão depois da aplicação.
  • Em caso de contato com os olhos, é importante lavar imediatamente a área com água corrente.

Além do DEET, os princípios ativos mais recorrentes em repelentes no Brasil são utilizados em cosméticos: o Icaridin e o IR 3535, além de óleos essenciais, como Citronela. Embora não tenham sido encontrados estudos de segurança realizados em gestantes, estes princípios são reconhecidamente seguros para uso em produtos cosméticos conforme regulamentação do setor.

Repelentes ambientais e inseticidas

Repelentes Ambientais

Inseticidas, usados para matar mosquitos adultos, e repelentes ambientais, usados para afastar os mosquitos (encontrados na forma de espirais, líquidos e pastilhas de aparelhos elétricos), também podem ser adotados no combate ao mosquito Aedes aegypti, desde que registrados na Anvisa e sejam obedecidos todos os cuidados e precauções descritas nos rótulos dos produtos. Os inseticidas “naturais” à base de citronela, andiroba e óleo de cravo, entre outros, não possuem comprovação de eficácia nem a aprovação pela Anvisa, até o momento. Portanto, todos os produtos anunciados como “naturais”, comumente comercializados como velas, odorizantes de ambientes, limpadores e os incensos, que indicam propriedades repelentes de insetos, não estão aprovados pela Agência e não possuem eficácia comprovada.

Fonte: Ministério da Saúde

Prefeitura de Rio Claro usa drones no combate à dengue

leave a comment »

Equipamentos ajudam a vistoriar terrenos fechados em que agentes de saúde têm dificuldade para entrar

Na luta contra a dengue, a prefeitura de Rio Claro está reforçando as ações contra o mosquito transmissor também com o auxílio da tecnologia. Aeronaves remotamente pilotadas, mais conhecidas como “drones”, estão sendo utilizadas para ajudar quando há dificuldades para os agentes de saúde entrarem em terrenos fechados. A vistoria de imóveis é ação preventiva essencial realizada pela Secretaria Municipal de Saúde no combate ao Aedes aegypti e, com a parceria da Secretaria Municipal de Segurança na utilização de drones, esse trabalho ganha em agilidade e rapidez.

“Além das vistorias de rotina, o Centro de Controle de Zoonoses recebe diversas solicitações por meio da Ouvidoria Municipal a respeito de prédios e terrenos fechados”, explica o gerente do CCZ, Diego Reis. “Em casos de proprietários desconhecidos ou que moram em outros municípios a utilização dos drones tem sido de grande ajuda”, acrescenta.

“Esse é mais um exemplo de como hoje equipamentos como drones se tornaram importantes para ações de interesse público”, comenta o diretor municipal de Defesa Civil, Wagner Martins Araújo, explicando que desde a aquisição dos dois equipamentos pela prefeitura, em agosto do ano passado, os drones já participaram de mais de 200 missões, incluindo mapeamento e monitoramento de áreas de risco, ações em apoio a outros órgãos da administração municipal e da segurança pública.

Os últimos três boletins da Vigilância Epidemiológica de Rio Claro não mostram alteração no número de registros de dengue no município, que tem 1163 casos confirmados desde o início do ano. A prefeitura orienta para que a comunidade se mantenha atenta, principalmente pelo fato de o período de chuvas estar retornando. É essencial eliminar criadouros do Aedes, que se reproduz em qualquer quantidade, mesmo numa gota de água parada. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, 80% dos criadouros estão nos imóveis habitados.

Além de retirar todos os recipientes, é fundamental que as pessoas façam o descarte correto de materiais para evitar a proliferação do mosquito. A prefeitura oferece opções para que lixo e entulho sejam descartados de forma adequada. O município tem coleta de lixo em todos os bairros três vezes por semana, seis ecopontos que abrem inclusive nos finais de semana em feriados, coleta seletiva de lixo e serviço de cata bagulho que mensalmente recolhe móveis velhos e materiais inservíveis porta a porta. Informações sobre esses serviços estão em www.rioclaro.sp.gov.br.

CCZ NA SIPAT DA RUMO

leave a comment »

A Rumo é a maior operadora de ferrovias do Brasil e oferece serviços logísticos de transporte ferroviário, elevação portuária e armazenagem. A Companhia opera 12 terminais de transbordo, seis terminais portuários e administra cerca de 14 mil quilômetros de ferrovias nos estados de Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás e Tocantins. A base de ativos é formada por mais de mil locomotivas e 28 mil vagões.

Rio Claro abriga  a maior oficina de vagões da Rumo. Seus funcionários tem contato direto com descartes incorretos de lixo em toda extensão da ferrovia e com animais e resíduos dos vagões que chegam para manutenção.

A CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes convidou o  Centro de Controle de Zoonoses que,  através do setor de Educação e Informação,  esteve presente na Sipat da empresa  com a palestra “Lixo = Bicho – Animais e doenças relacionadas ao descarte incorreto de lixo”, onde são abordados os vetores de arboviroses como Dengue, Zika e Chikungunya, ratos, animais peçonhentos e as medidas corretas para evitar-se as zoonoses relacionadas ao descarte irregular de resíduos , além de informações sobre Febre Maculosa.

Após a palestra, os funcionários puderam observar animais peçonhentos expostos em vidros e receberam brindes oferecidos pela empresa.

 

DRONES DA DEFESA CIVIL AUXILIAM NOS TRABALHOS PREVENTIVOS À DENGUE

leave a comment »

Locais onde há impossibilidade de acesso , recusa de abertura de imóvel ou desconhecimento do proprietário, o equipamento pode realizar a vistoria

 

Drones adquiridos pelo município de Rio Claro para auxílio nos trabalhos de diversos setores da administração municipal como Defesa Civil, Guarda Municipal (GCM), Obras, Trânsito,  Meio Ambiente, que auxiliam monitoramento em áreas de risco de enchentes, incêndios, segurança, ações de fiscalização,  auxiliam também a saúde pública.

O Centro de Controle de Zoonoses recebe diariamente diversas solicitações de moradores através da Ouvidoria, para vistorias em imóveis, principalmente em prédios e terrenos fechados. Mas nem sempre os agentes conseguem adentrar para a realização dos serviços preventivos relativos a criadouros de mosquitos que transmitem arboviroses, como a Dengue.

Casos como proprietários desconhecidos,  que moram em outros municípios, que recusam a abertura do local ou imóveis inventariados, dificultam os serviços e aumentam a preocupação dos vizinhos solicitantes.

Os munícipes e o  CCZ contam agora com o auxílio dos equipamentos e a parceria da Defesa Civil que,  através de seus  agentes habilitados para utilização dos drones,  podem auxiliar nas vistorias dos imóveis fechados.

Registros aéreos através de fotos,  podem mostrar a real situação dos imóveis para organização de ações e autuações.

Este é mais um instrumento para os trabalhos contra  os  mosquitos, mas sempre é bom lembrar que 80% de criadouros estão dentro dos imóveis habitados e  a procura e eliminação destes devem ser diárias e realizadas por todos nós.

 

CCZ NA PRIMEIRA SIPAT DA SBR FOODS

leave a comment »

O setor de Educação e Informação do CCZ levou a palestra “Lixo = Bicho” aos funcionários da empresa, onde puderam conhecer os diversos problemas de saúde pública causados pelo descarte incorreto de lixo.

Após a palestra, os colaboradores puderam conferir a exposição de animais peçonhentos.