DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘agentes de endemias

PREVENÇÃO À DENGUE NOS CEMITÉRIOS

leave a comment »

Após o Dia de Finados, equipes dos Agentes de Endemias realizam trabalhos preventivos contra o mosquito Aedes aegypti nos cemitérios da cidade.

Para evitar o acúmulo de água, eles retiram embalagens plásticas dos vasos de flores e verificam locais que possam servir de criadouros para mosquitos.

A colaboração de toda sociedade no controle de criadouros é fundamental para o controle dos mosquitos que podem transmitir diversas arboviroses como: Dengue. Zika, Chikungunya, Febre Amarela e Febre Mayaro.

SEMANA DE PREVENÇÃO À FEBRE MACULOSA

leave a comment »

De 13 a 23 de Setembro a Secretaria de Estado da Saúde, estipulou como “Semana de Prevenção à Febre Maculosa”.

O setor de Informação e Educação do Centro de Controle de Zoonoses participou do evento “A Febre Maculosa em tempo e espaço, determinando alertas”, realizado pela Coordenadoria de Controle de Doenças, para atualização sobre o vetor e a doença e assim, repassar as informações aos profissionais da área e para a população.

Os Agentes de Endemias da Fundação Municipal de Saúde receberam estas orientações através de palestra e um bate papo para sanar dúvidas e trocar experiências.

A Febre Maculosa é uma doença febril aguda causada por uma bactéria transmitida às pessoas através do carrapato Amblyomma Sculpitum ou Dubitatum , popularmente conhecidos como “carrapato estrela”, “carrapato de cavalo” ou “rodoleiro”.    O micuim (larva do carrapato) também pode transmitir a doença.

É uma doença de fácil tratamento, mas com índices de óbitos que chegam a 60% dos infectados. Porque isto acontece?  Por falta de informação à população e ao profissional de saúde.

Ao ter contato com o parasita e início dos sintomas, é fundamental que se procure um médico imediatamente e o informe sobre o contato ou que frequentou áreas de risco, tais como: matas, sítios, campos de várzea, pesqueiros, cachoeiras, parques, florestas, etc.

O homem é infectado através da picada do carrapato estrela ou micuim que eventualmente carrega a bactéria Rickettsia rickettsii nas suas glândulas salivares. Esse carrapato hematófago pode ser encontrado em animais de grande porte (bois cavalos, etc.), cães, aves domésticas, roedores, animais selvagens como os gambás, cachorros-do-mato, coelhos, tatus e cobras., e, especialmente, na capivara, o maior de todos os reservatórios naturais.

Transmissão

Para haver transmissão da doença, o carrapato infectado precisa ficar pelo menos quatro horas fixado na pele das pessoas. Os mais jovens e de menor tamanho são vetores mais perigosos, porque são mais difíceis de serem vistos.

Não existe transmissão da doença de uma pessoa para outra.

Os primeiros sintomas aparecem de dois a quatorze dias depois da picada. Na imensa maioria dos casos, sete dias depois.

A doença começa abruptamente com um conjunto de sintomas semelhantes aos de outras infecções: febre alta, dor no corpo, dor da cabeça, inapetência, desânimo. Depois, aparecem pequenas manchas avermelhadas, as máculas, que crescem e tornam-se salientes, constituindo as maculopápulas..

A erupção cutânea é generalizada e manifesta-se também na palma das mãos e na planta dos pés, o que em geral não acontece nas outras doenças exantemáticas (sarampo, rubéola, por exemplo).

O diagnóstico é realizadocomexame específico para o diagnóstico da febre maculosa

Tratamento

A febre maculosa brasileira tem cura desde que o tratamento com antibióticos seja introduzido nos primeiros dois ou três dias. O ideal é manter a medicação por dez a quatorze dias, mas logo nas primeiras doses o quadro começa a regredir e evolui para a cura total.

Atraso no diagnóstico e, consequentemente, no início do tratamento pode provocar complicações graves, como o comprometimento do sistema nervoso central, dos rins e pulmões, das lesões vasculares e levar ao óbito.

Recomendações

. Evite o contato com carrapatos. Se, por acaso, estiver numa área em que eles possam existir, como: beiras de lagos e rios, trilhas, pastos, parques, florestas, tome as seguintes precauções:

. Examine seu corpo cuidadosamente a cada três horas pelo menos, porque o carrapato-estrela transmite a bactéria responsável pela febre maculosa só depois de pelo menos quatro horas grudado na pele;

. Use roupas claras porque facilitam enxergar melhor os carrapatos;

. Coloque a barra das calças dentro das meias e calce botas de cano mais alto nas áreas que possam estar infestadas por carrapatos.

. Corte o mato e grama rente ao solo;                                                             

. Tenha cuidado ao retirar o carrapato que estiver grudado em sua pele: não esmague com as mãos ou unhas pois você pode adquirir a doença através de pequenos ferimentos na pele;

. Não se esqueça de que os sintomas iniciais da febre maculosa são semelhantes aos de outras infecções e requerem assistência médica imediata. Esteja atento ao aparecimento dos sintomas comuns a vários tipos de infecção e avise o médico para um  diagnóstico diferencial.

Não existe vacina contra a Febre Maculosa brasileira.

ESCORPIÕES – CCZ REALIZA ATUALIZAÇÃO PARA AGENTES

leave a comment »

Em razão do número expressivo de solicitações relativas à coleta e identificação de escorpiões, a coordenação do Centro de Controle de Zoonoses, através do setor de Educação e Comunicação, organizou um ciclo de palestras através de vídeos do Instituto Butantan, com atualização de informações para os Agentes de Controle de Endemias e Controle de Vetores.

Nos vídeos são abordados : a história , morfologia, reprodução, predadores, utilização de inseticidas, coleta, prevenção e o interesse médico destes aracnídeos.

A atualização destes profissionais com novos estudos e informações, é fundamental para a melhoria dos trabalhos, resultando em um melhor atendimento aos munícipes.

Para recolha e identificação de escorpiões, morcegos , aranhas , serpentes ou bicho barbeiro, o morador deve realizar a solicitação através da Ouvidoria Municipal:

3526-7105.

TRABALHOS DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES

leave a comment »

O Centro de Controle de Zoonoses é um departamento da Fundação Municipal de Saúde que tem como função cuidar das doenças (noses) que os animais (zoo) transmitem, como dengue, raiva, leptospirose, leishmaniose, entre outras.

Animais peçonhentos (que não transmitem doenças mas são um problema considerável para a saúde pública) também é um trabalho realizado, com identificação das espécies e orientações preventivas aos moradores.

 O serviço de recolhimento, identificação e envio para análise de Raiva, estende-se aos morcegos. Quando encontrado um exemplar contaminado, é realizada vacinação em todos os animais da área e observação de animais e humanos por dez dias. A aplicação de vacina antirrábica é realizada diariamente no CCZ e são realizadas campanhas anuais com pontos fixos nos bairros e zona rural.

A desratização é realizada gratuitamente através de raticidas aplicados nas residências após solicitação através da Ouvidoria Municipal : 3526-7105; os agentes colocam as iscas em locais onde crianças e animais domésticos não tem acesso e voltam para monitoramento. Este trabalho também é realizado nos mais de 3000 bueiros da cidade.

              O mosquito palha, transmissor da da Leishmaniose é monitorado com armadilhas que são montadas na zona rural e urbana, onde são identificados focos para controle juntamente com a SUCEN.

                Pombos, Piolhos, Carrapatos e Caramujos Africanos tem atenção especial pelo número de doenças que transmitem e  a facilidade de multiplicação. Os agentes orientam sobre desinfecção de ambientes infestados e armadilhas para os caramujos com descarte correto.

               Agentes de Endemias realizam busca ativa de criadouros do mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya, Zika e Febre Amarela em casas e comércio, os agentes de vetores trabalham com a busca ativa em pontos estratégicos como ferro velhos, borracharias, indústrias e realizam nebulização para controle epidêmico.

Com o objetivo de ampliar as informações pertinentes aos serviços desenvolvidos no setor da saúde do município e considerando a importância de informar sobre as ações humanas e suas consequências para consigo, para sua própria espécie, para outros seres vivos e o ambiente, o setor de Educação e Comunicação do CCZ, ministra palestras em escolas, empresas, projetos, igrejas, etc, a fim de prevenir sobre diversas zoonoses  e a posse responsável de animais. Estas importantes informações são compartilhadas também nas redes sociais como Facebook, Twitter , Instagram e Blog.

Confira os números dos trabalhos do CCZ durante o ano de 2020:

Castrações

Total Animais Agendados …………………….. 3.485

Total Animais Castrados ………………………  3.038

Raticida …………………………………………….. 1.778

Vacinas cães e gatos ……………………………. 2.971

Dengue / Ouvidoria ……………………………….. 611

Obs. Animais agressores ………………………… 514

Vistorias Imóveis Estratégicos – IE – …………. 310

Vistorias Pontos Estratégicos – PE – ………….1.275

Equinos / Obs.Raiva …………………………………. 06

Cobras …………………………………………………… 04

Caramujos ……………………………………………… 45

Escorpiões ………………………………………………126

Galináceos ………………………………………………. 31

Morcegos Orientações ………………………………. 65

Morcegos Captura ……………………………………. 64

Pombos ………………………………………………….. 56

Insetos /Carrapatos ………………………………… 128

Leishmaniose …………………………………………… 69

Arboviroses : Combate às Endemias

Imóveis percorridos …………………………………………. 244.562

Imóveis Trabalhados ………………………………………… 131.605

Arboviroses: Controle de Vetores

Nebulização ……………………………………………………….. 9.820

Vistoria em obras …………………………………………………….. 66

Educação e Comunicação

Eventos e Palestras …………………………………………….. 28.443

Redes Sociais / Acessos …………………………….média   30.000