DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘cães

Prefeitura inaugura nova sede do Centro de Controle de Zoonoses

leave a comment »

Serviço atua na prevenção e combate de doenças transmitidas por animais aos humanos

Rio Claro inaugura no sábado (11) novo prédio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). “Com a mudança, o serviço terá melhor estrutura para desenvolver seu trabalho e o novo espaço oferece melhores condições de trabalho aos servidores”, destaca o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria.

O CCZ desenvolve o trabalho preventivo e de combate a doenças transmitidas por animais aos humanos. Entre elas estão as arboviroses, que incluem dengue, zika vírus, chikungunya e febre amarela. “A realização de trabalho preventivo é fundamental para que sejam evitados casos das doenças e o Centro de Controle de Zoonoses cumpre importante papel”, observa Maria Clélia Bauer, secretária de Saúde.

O novo prédio será base para todas as equipes que atuam no combate a zoonoses no município, diferente do que acontece hoje. Haverá também uma sala destinada ao trabalho da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen).

Além do controle de arboviroses, o CCZ atua no controle populacional de cães e gatos, com serviço de castração gratuita, e vacinação antirrábica. Conforme informa Diego Reis, gerente do CCZ, esses dois serviços, de vacinação e castração, continuarão sendo feitos no Distrito Industrial.

Anúncios

Zoonoses treina agentes para a Campanha de Vacinação Urbana

leave a comment »

 

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) já está preparando sua equipe para a Campanha de Vacinação Antirrábica urbana em cães e gatos que começa em agosto e segue até o primeiro final de semana de setembro. Como acontece todos os anos, os agentes estão sendo treinados para que a campanha transcorra sem problemas. A vacinação antirrábica rural já está em andamento. A Zoonoses já imunizou cães e gatos de propriedades localizadas na Mata Negra, região próxima a Corumbataí, Alan Grey, estrada velha Ajapi-Leme e Itapé.

De acordo com a médica-veterinária Maria Emília Canoa de Godoy, também responsável técnica do CCZ, o treinamento aborda os procedimentos adotados pelas equipes que incluem cuidados com o armazenamento das vacinas, maneira correta de segurar o animal e aplicação das doses.

Os proprietários que eventualmente não estiverem na cidade durante o desenrolar da campanha podem levar seus animais até o Centro de Controle de Zoonoses, onde a vacina é aplicada de segunda a sexta-feira, das 7h00 às 16h00.

População não deve entrar em contato com morcegos alerta CCZ

leave a comment »

O contato com morcegos vivos ou mortos deve ser evitado para não trazer riscos à saúde da população. O alerta é do Centro de Controle de Zoonoses. Há casos em que moradores encontram esses animais caídos e sem nenhum tipo de proteção recolhem e jogam no lixo. Em muitos dos casos o CCZ nem fica sabendo do ocorrido, o que dificulta o controle sobre o vírus da raiva, doença que nos humanos e nos animais é fatal. Só no ano passado mais de 50 morcegos foram coletados pela Zoonoses e encaminhados ao Instituto Pasteur. Nenhum deles apresentou positividade para o vírus da raiva. Em janeiro deste ano, 9 animais também foram encaminhados para análise, mas o resultado dos exames ainda não chegou para o CCZ. Houve também outros 8 casos de munícipes que solicitaram orientação da Zoonoses sobre como proceder para evitar que os morcegos se aproximem de suas residências.

Há uma série de medidas que a Zoonoses precisa tomar no caso de morcegos serem encontrados caídos no chão. A primeira delas é fazer a coleta do animal com segurança e encaminhá-lo para análise. Para isso é necessário a colaboração dos moradores. Caso encontrem morcegos caídos em quintais ou calçadas, a recomendação é não colocar as mãos no animal, apenas prendê-lo com um balde ou uma toalha molhada até que seja recolhido pelo CCZ. Animais de estimação como gatos e cães não podem ter contato com o morcego. Caso contrário vão permanecer em observação e deverão tomar vacina de reforço contra a raiva. É importante controlar a circulação do vírus. Por este motivo a recolha e análise dos morcegos são tão necessárias.

Vacinação em animais domésticos

Todos os anos o Centro de Controle de Zoonoses realiza a vacinação em cães e gatos. A imunização protege esses animais contra a raiva. A vacina é gratuita e aplicada tanto em postos de vacinação durante a campanha quanto no próprio CCZ, no Distrito Industrial de segunda a sexta-feira das 7h00 às 16h00. Informações sobre morcegos e vacinação antirrábica podem ser conseguidas através dos telefones 3533-7155, 3535-4441 ou 3536-3866.

Written by I.E.C - CCZ

22/02/2019 at 7:37 am

CCZ PARTICIPA DO EVENTO RESGATANDO O BRINCAR

leave a comment »

Foi um sucesso o evento Resgatando o Brincar   realizado no último domingo, 27 na Lagoa Seca do Cervezão,  organizado pelo  vereador Geraldo Voluntário e que teve a participação de diversas secretarias municipais e entidades privadas.

O Centro de Controle de Zoonoses esteve presente com muitas brincadeiras e claro, informações preventivas.

Os bonecos Agente Cabeção e o mosquito Aedes marcaram presença com o público presente, brincando e lembrando da necessidade da eliminação dos criadouros do mosquito para evitar a Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela.

 

A barraca com exposição de Animais Peçonhentos e folhetos informativos teve um grande número de visitas  com os Agentes de Endemias  esclarecendo a curiosidade de todos.

A confecção de máscaras deixou a criançada animada.


 

 

 

 

 

Novas brincadeiras como : Acertar o bico no mosquito e Lançamento de bolinhas foram um sucesso.

 

Essas formas lúdicas e divertidas auxiliam nas  informações preventivas sobre diversas doenças trabalhadas pelo Centro de Controle de Zoonoses e na saúde de toda população.

 

Agentes de Endemias recebem novas orientações sobre Leishmaniose Visceral e Tegumentar

leave a comment »

Os agentes de Combate às Endemias do Centro controle de Zoonoses participaram nesta última terça- feira da palestra sobre Leishmaniose Visceral e Tegumentar, ministrada pela Medica Veterinária Maria Emília.

Rio Claro durante todo ano de 2018 registrou somente um caso de Leishmaniose Visceral, em um cão.

Novos casos da doença têm surgido em nossa região.

E a palestra visa atualizá-los, para melhor atender a população, orientando-os, caso surja novos casos da doença em nosso município.

Leishmaniose é uma doença infecciosa provocada por parasitas do gênero Leishmania.

transmissão da doença se dá através da picada de um inseto, o flebótomo do gênero Lutzomyia, conhecido popularmente como mosquito palha. O mosquito transmite a leishmania após ter picado um animal infectado, normalmente animais silvestres e cães domésticos infectados. Não existe transmissão de pessoa para pessoa.

Após a picada do mosquito, o protozoário é inoculado no corpo, onde pode se reproduzir localmente ou espalhar-se pelo organismo. A leishmaniose pode se manifestar de diversas formas:

  • Leishmaniose tegumentar ou forma cutânea:É geralmente causada pela espécie Leishmania amazonensis e Leishmania braziliensis. Caracteriza-se pela presença de uma úlcera que não provoca dor, nas áreas expostas do corpo, com forma arredondada ou ovalada, de tamanho variável (de milímetros a alguns centímetros) e bordas elevadas.
  • Leishmaniose visceral:forma crônica caracterizada pelo acometimento sistêmico (dos órgãos internos) pela Leishmania chagasi. O período de incubação vai de 2 a 6 meses. A infecção pode ser com quase ou nenhum sintoma, de moderada a grave, levando o paciente à morte. Casos sintomáticos iniciais apresentam anemia, esplenomegalia (aumento do baço), hepatomegalia (aumento do fígado) e febre. Sem um diagnóstico e tratamento adequado, a doença evolui e pode ocorrer significativa perda de peso, comprometimento do fígado e dos rins, febre contínua e diminuição do número de plaquetas e leucócitos, levando a hemorragia, infecções bacterianas e óbito.

Em Cães:

A Leishmaniose canina é uma infecção parasitária causada por protozoários que atacam o sistema imunológico do animal. Quando em contato com seu hospedeiro (nesse caso, o cachorro), o parasita do tipo Leishmania começa a atacar as células fagocitárias (os macrófagos – responsáveis por proteger o organismo de corpos estranhos). Ele se liga a essas células e começa a se multiplicar, atacando mais células. Nessa propagação, podem atingir órgãos como fígado, baço e medula óssea.

Os sintomas da leishmaniose visceral canina são diversos. Entre os sinais externos, são bem características as lesões, descamação e coloração branca prateada na pele. Nas patas, pode ocorrer infecção (pododermatite), pele grosseira por excesso de produção da queratina (hiperqueratose dos coxins) e unhas espessas e em formato de garras (onicogrifose).Apesar da leishmaniose visceral canina apresentar tantos sintomas, há cachorros que não demonstram qualquer sinal de algo errado. É importante saber que a maioria das contaminações é assintomática.

Considerada endêmica, a incidência da leishmaniose canina é comumente associada a locais onde as condições sanitárias são precárias. Geralmente, é encontrada em volta de galinheiros, chiqueiros ou de ambientes que não estão bem higienizados. Isso porque o mosquito-palha põe seus ovos em locais ricos em matéria orgânica. Preste atenção aos sinais e sintomas que seu cachorro está manifestando. Se suspeitar de leishmaniose, isole-o de outros animais para evitar contaminação e leve-o ao veterinário o mais rápido possível.

 

 

 

Written by I.E.C - CCZ

19/12/2018 at 1:34 pm

11º Seminário sobre Raiva destaca ações de prevenção à doença

leave a comment »

O 11º Seminário de Vigilância e Controle da Raiva promovido pelo Instituto Pasteur e realizado dias 1 e 2 de outubro reuniu vários profissionais da Saúde e contribuiu para promover a atualização técnica e científica dos profissionais que atuam na área da Saúde. Foram abordados vários aspectos relacionados à doença como a importância de uma comunicação eficaz , cuja mensagem seja do entendimento de toda a população e ainda o trabalho preventivo que o setor de Saúde realiza em caso de acidente  com morcegos. Estiveram no encontro representando a Fundação Municipal de Saúde, a médica veterinária Amanda Borotti, do Centro de Controle de Zoonoses e a Chefe de Núcleo da Vigilância Epidemiológica, Eliaura Aparecida de Jesus.

O assunto em destaque foi  o papel do morcego (hematófago ou não) na manutenção do ciclo do vírus. Devido às campanhas maciças de vacinação em cães e gatos, há muitos anos o estado de São Paulo não tem o ciclo com o vírus da variante canina. Os casos de cães ou gatos positivos foram da variante de morcego. Por isso a importância de notificar o CCZ se encontrar morcego caído ou morto em sua residência, e também se o seu animal de estimação entrou em contato com ele.

Na área rural, deve-se informar a defesa agropecuária, de sua cidade ou regional, em casos de visualizar mordeduras de morcegos em bois, cavalos, porcos ou outros animais. Casos de morcegos caídos, mortos ou que entraram em contato com cães e gatos também precisam ser comunicados. Manter os animais vacinados é uma maneira de prevenção, mas é na vigilância de mordeduras que a defesa agropecuária tem maiores resultados.

O papel do médico veterinário clínico na Vigilância da Raiva também foi discutido no encontro. A médica veterinária Adriana Vieira, do Instituto Pasteur abordou o assunto informando que das 1.461 doenças reconhecidas em seres humanos, 60% são zoonoses, ou seja, doenças transmitidas do animal ao homem. Esses números mostram o quanto são importantes  ações de prevenção e, no caso específico da raiva, outros elementos são considerados fundamentais no trabalho preventivo. “Podemos citar a educação em saúde, a vacinação antirrábica, a propriedade responsável de animais, bem estar e promoção da saúde animal, registro e identificação do animal, avaliação de animais suspeitos, coleta e envio de amostras para análises”, destacou a palestrante.Também é necessário, segundo ela, que os municípios tenham conhecimento de quantos animais são vacinados nas campanhas e fora delas. Por isso criou-se um formulário que contém todas essas informações e ainda dados fornecidos por veterinários de clínicas particulares.

O seminário reuniu dezenas de profissionais de várias partes do país e fez parte do 115º aniversário de fundação do Instituto Pasteur de São Paulo.

Para mais informações sobre morcegos o Centro de Controle de Zoonoses está à disposição através dos telefones 3535-4441 ou 3533-7155. A Casa da Agricultura Rio Claro (EDA Limeira) também pode ser consultada através do telefone 35243495.

Written by I.E.C - CCZ

16/10/2018 at 10:47 am

Ataques de cães e gatos são observados com atenção pela Zoonoses

leave a comment »

Além do programa de castração e da vacinação antirrábica oferecida pelo Centro de Controle de Zoonoses outro serviço pouco conhecido, mas de grande importância é a observação de cães e gatos que por um motivo qualquer atacam ou o próprio dono ou pessoas desconhecidas. Somente no mês de julho, 52 animais foram monitorados. Desses, 47 eram cães e 5 gatos. No ano já são 362. Em 2017, a Zoonoses fechou o ano com 711 casos. Dependendo do caso, as observações são realizadas durante vários dias na própria residência onde o animal vive. Os agentes fazem as visitas para saber se existe algum problema de saúde que possa ter ocasionado o ataque. A raiva animal é o foco da Zoonoses. Passado o período de observação e não havendo nenhuma anormalidade que possa caracterizar essa doença o período de observação é encerrado.

Os casos chegam até o CCZ através de notificações feitas pelas unidades de saúde que atendem as pessoas com ferimentos provocados por animais. A Vigilância Epidemiológica recebe essa notificação e encaminha a Zoonoses para acompanhamento do animal. Enquanto a observação do cão ou gato é feita, a Vigilância Epidemiológica acompanha a saúde das pessoas atacadas. Se durante o período de observação animal nada de mais grave é constatado, a pessoa atacada não precisa tomar a vacina contra a raiva. Do contrário, ela precisa ser vacinada.

Uma das dificuldades enfrentadas pela Zoonoses nesse trabalho de observação animal é, muitas vezes, a falta de interesse do proprietário em colaborar, fornecendo dados que são importantes para avaliação do quadro.  Muitos acham que o episódio do ataque não foi  grave, que o animal está bem e que não é preciso observá-lo. O que a maioria desconhece é que a pessoa atacada pode ter contraído o vírus e ao ignorar a importância da observação, pode colocar a vida em risco. Quando o animal vive na rua e não tem dono, um verdadeiro trabalho de investigação precisa ser feito para localizá-lo. Caso o animal não seja encontrado há a necessidade de a pessoa que sofreu a agressão receber dose da vacina contra a raiva humana junto à Vigilância Epidemiológica. Se o animal for localizado ele é recolhido e permanece em observação por 10 dias.