DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘iec

INSTITUTO ALAN KARDEC RECEBE CCZ

leave a comment »

Atendendo convite da direção do Instituto Alan Kardec, o Centro de Controle de Zoonoses levou informações sobre o mosquito Aedes aegypti e as doenças transmitidas como Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela aos alunos e funcionários.

Somente com  a conscientização de todos é que conseguiremos inibir o nascimento de mosquitos e o aumento destas doenças.

 

 

Anúncios

Hoje tem início o levantamento do índice do Breteau

leave a comment »

Começa nesta segunda-feira (02) o levantamento do índice de Breteau (IB), que aponta a quantidade de mosquitos Aedes aegypti em fase de desenvolvimento. Os agentes estarão visitando alguns quarteirões sorteados pelo sistema da Sucen.

A partir do resultado da pesquisa, que é feita por amostragem, a Zoonoses pode direcionar suas ações visando combater o Aedes.

Os agentes contam com o apoio da população. Receba bem os nossos agentes. Essa pesquisa é importante para o município.

AÇÕES PREVENTIVAS CONTRA FEBRE AMARELA

leave a comment »

Apesar de Rio Claro não estar na lista de cidades com transmissão da Febre Amarela, ações preventivas estão sendo realizadas com estudantes na UNESP e viajantes na Rodoviária e Terminal de Ônibus  em frente ao Shopping.

Folhetos foram distribuídos e cartazes fixados em locais de grande circulação.

Lembrando que : eliminar criadouros de mosquitos é fundamental.

ANIMAIS PEÇONHENTOS NO RESIDENCIAL TERRA NOVA

leave a comment »

Para evitar acidentes com animais peçonhentos, o IEC esteve no Residencial Terra Nova para orientações aos moradores. O descarte incorreto de lixo atrai insetos que servem de alimento para os animais peçonhentos. Colabore, jogue lixo nos locais adequados.

BONECO CABEÇÃO INFORMA: DENGUE, NÃO É BRINCADEIRA

leave a comment »

No último domingo, 18, a Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Educação e Programa Verde Azul, realizaram o evento :  1ª Brincadeiras Ambientais , na Sala Verde do  Lago Azul.

Além das brincadeiras “antigas” como  : corre cotia, amarelinha, bolinha de gude, pula corda, passa anel, as crianças receberam orientações  ambientais e  o Centro de Controle de Zoonoses, através do  IEC – Informação, Educação e Comunicação ,  esteve presente com o Boneco Cabeção que entregou bolas e kits com balas  e folhetos  informativos  sobre o mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, Febre amarela, Chikungunya e Zika Vírus.

Os participantes levaram sacolas com materiais recicláveis, que podem servir de criadouros para mosquitos e estes foram doados para Cooperativa de recicláveis.

Não deixe o mosquito acabar com nossa  alegria:  jogue o lixo em locais corretos, recicle, elimine criadouros.

IEC Faz avaliação de 2016

leave a comment »

As atividades desenvolvidas pelo IEC, setor de Informação, Educação e Comunicação do Centro de Controle de Zoonoses, durante o ano de 2016, atingiram um público de mais de 70 mil pessoas. A estimativa leva em conta as palestras realizadas em escolas, empresas e outras instituições e também a organização ou participação em eventos que envolvem as unidades de saúde ou que têm expectativa de grande público, como Dia Mundial da Saúde, Exposição de Orquídeas, exibição de filmes institucionais nas salas de cinema, entre outros. Em 2017 até o momento 45.658 pessoas tiveram acesso as informações de Zoonoses através de ações do IEC.

O desempenho do setor pode ser conferido no blog da Zoonoses:

https://cczrioclaro.wordpress.com/iec-eventos-e-palestras-do-mes/

Até o mês de maio de 2017 o IEC já somou 64 ações, todas voltadas à conscientização sobre a importância de eliminar os criadouros do Aedes aegypti e evitar que o município passe por novo surto das doenças transmitidas pelo mosquito.

O maior número de palestras e eventos e também de público é quase sempre registrado no mês de março. Nesse período as pessoas se sentem mais vulneráveis às ameaças do Aedes aegypti devido ao calor. Por este motivo procuram mais por orientações, solicitando os serviços de IEC nesse período. Essa sensação de menor risco nos demais meses não se justifica. O mosquito pode até diminuir a sua reprodução, mas continua sendo uma ameaça. A melhor maneira de manter a situação sob controle é enfatizar, o ano todo, as medidas de combate ao vetor, através de orientações.

Carrapatos: calor aumenta o perigo, previna-se

with one comment

carrapato-fases

A Primavera e as chuvas estão chegando e com elas, muitos insetos saem de suas tocas para alimentar-se e acasalar. Os carrapatos também aumentam neste período.

Vários casos de Febre Maculosa têm sido registrados no país, portanto cuidados devem ser tomados em passeios perto de rios, pastos, matas, sítios, chácaras.

O homem é infectado através da picada do carrapato estrela ou micuim que eventualmente carrega a bactéria Rickettsia rickettsii nas suas glândulas salivares. Esse carrapato hematófago pode ser encontrado em animais de grande porte (bois cavalos, etc.), cães, aves domésticas, roedores, animais selvagens como os gambás, cachorros-do-mato, coelhos, tatus e cobras e, especialmente, na capivara, o maior de todos os reservatórios naturais.

 Transmissão

Para haver transmissão da doença, o carrapato infectado precisa ficar pelo menos quatro horas fixado na pele das pessoas. Os de menor tamanho são vetores mais perigosos, porque são mais difíceis de serem vistos. Não existe transmissão da doença de uma pessoa para outra.

Os primeiros sintomas aparecem de dois a quatorze dias depois da picada. Na imensa maioria dos casos, sete dias depois.

A doença começa abruptamente com um conjunto de sintomas semelhantes aos de outras infecções: febre alta, dor no corpo, dor da cabeça, inapetência, desânimo. Depois, aparecem pequenas manchas avermelhadas, as máculas, que crescem e tornam-se salientes, constituindo as maculopápulas.

A erupção cutânea é generalizada e manifesta-se também na palma das mãos e na planta dos pés, o que em geral não acontece nas outras doenças exantemáticas (sarampo, rubéola, por exemplo).

O diagnóstico é realizado com exame específico para o diagnóstico da febre maculosa

Tratamento

A febre maculosa brasileira tem cura desde que o tratamento com antibióticos seja introduzido nos primeiros dois ou três dias. O ideal é manter a medicação por dez a quatorze dias, mas logo nas primeiras doses o quadro começa a regredir e evolui para a cura total.

Atraso no diagnóstico e, consequentemente no início do tratamento pode provocar complicações graves, como o comprometimento do sistema nervoso central, dos rins e pulmões, das lesões vasculares e levar ao óbito.

Recomendações

. Evite o contato com carrapatos. Se, por acaso, estiver numa área em que eles possam existir, como beiras de lagos e rios, trilhas, pastos, parques, florestas, tome as seguintes precauções:

. Examine seu corpo cuidadosamente a cada três horas pelo menos, porque o carrapato-estrela transmite a bactéria responsável pela febre maculosa só depois de pelo menos quatro horas grudado na pele;

. Use roupas claras porque facilitam enxergar melhor os carrapatos;

. Coloque a barra das calças dentro das meias e calce botas de cano mais alto nas áreas que possam estar infestadas por carrapatos.

. Corte o mato e grama rente ao solo

. Tenha cuidado ao retirar o carrapato que estiver grudado em sua pele. Não o esmague com as mãos ou unhas pois você pode adquirir a doença através de pequenos ferimentos na pele;

. Não se esqueça de que os sintomas iniciais da febre maculosa são semelhantes aos de outras infecções e requerem assistência médica imediata. Esteja atento ao aparecimento dos sintomas comuns a vários tipos de infecção e avise o médico para um diagnóstico diferencial.

Não existe vacina contra a febre maculosa brasileira.