DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘inservíveis

Mais de 1 tonelada e meia de criadouros é retirada em mutirão

leave a comment »

O mutirão realizado no último sábado (13) pelo Centro de Controle de Zoonoses no bairro Bonsucesso recoheu 1 tonelada e mais 730 quilos de criadouros do mosquito Aedes aegypti . Com  isso, somente neste ano de 2019 foram retirados de casas, terrenos, calçadas e praças da cidade mais de 15 toneladas de inservíveis. Além do caminhão Cata Bagulho da Secretaria de Meio Ambiente, que deu apoio à ação, a Zoonoses utilizou também caminhonetes para conseguir recolher tanto material. O alerta continua para todos. Material que pode ser reciclado deve ser levado aos ecopontos da cidade ou podem ainda ser levados pelo caminhão Cata Bagulho que possui um cronograma de trabalho abrangendo toda a cidade. O município continua em situação de alerta para a dengue. Os números mais recentes divulgados pela Vigilância Epidemiológica apontam para 72 casos de dengue em Rio Claro.

Anúncios

RETORNO DA OPERAÇÃO QUEBRA CADEADOS

leave a comment »

Os agentes do Centro de Controle de Zoonoses muitas vezes encontram dificuldades para conseguir realizar os trabalhos de busca ativa de criadouros do mosquito transmissor da Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela por encontrar imóveis fechados/abandonados  ou por recusa dos proprietários.

Em 2015, durante a epidemia de Dengue,  o Departamento Jurídico da Fundação Municipal de Saúde conseguiu autorização para abrir os locais com  risco para moradores vizinhos e que encontravam-se fechados.

Esta ação foi denominada “Quebra Cadeado” e  consiste em abrir os imóveis , realizar a busca de criadouros , retirar objetos que retenham água e fechar novamente o local.

Esta semana mais uma operação foi realizada com sucesso no bairro do Estádio.

Agentes do CCZ retiraram centenas de inservíveis que serviam de criadouros de mosquitos e colocaram  raticida no local.

Solicitações para este serviço devem ser realizadas através da Ouvidoria pelo telefone 3526-7105.

E FICOU ASSIM: