DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘micuim

FEBRE MACULOSA – SERVIÇOS PELO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES

leave a comment »

A Fundação Municipal de Saúde mantém através do Centro de Controle de Zoonoses, equipe de Educação e Informação que realiza palestras, exposições, distribuição de material e atividades lúdicas em escolas, empresas, projetos, igrejas, entidades filantrópicas, unidades de saúde.

Solange Mascherpe, Chefe de Núcleo de Zoonoses e  e Daiana Carolina Joaquim, Agente de Endemias , realizaram de Março a Agosto de 2018, palestras com público direto de  13.000 pessoas e eventos com público estimado somam  mais de 60.000 pessoas.

 FEBRE MACULOSA

A febre maculosa brasileira é uma doença infecciosa febril aguda, de gravidade variável, cuja apresentação clínica pode variar desde as formas leves e atípicas até formas graves , com elevada taxa de letalidade.

É causada por uma bactéria do gênero Rickettsia (Rickettsia rickettsii), transmitida por carrapatos.

 O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PRECOCE É ESSENCIAL PARA EVITAR FORMAS MAIS GRAVES DA DOENÇA.

Após informações de várias ocorrências e óbitos em cidades próximas, o CCZ imediatamente iniciou trabalhos preventivos em áreas de risco e com profissionais de saúde. (anexo relatório de Maio/2018)

Em todas as palestras realizadas, independente do tema solicitado, orientações sobre Febre Maculosa  estão sendo são repassadas ao público.

TRABALHOS SOBRE  FEBRE MACULOSA DENTRO DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE

Com agendamento através da Atenção Básica de Saúde da FMS , profissionais das  UBSs, USFs e  UPAs , estão recebendo  orientações sobre a Febre Maculosa, prevenção e tratamento para conhecimento e um melhor atendimento  aos munícipes.

ZONA RURAL

Durante a vacinação de cães e gatos na Zona Rural da cidade, moradores de sítios, chácaras e fazendas que naturalmente tem maior contato com carrapatos, além da proteção em seus animais pela vacina antirrábica,  tem recebido orientações sobre Febre Maculosa pelos agentes de endemias.ORIENTAÇÕES SOBRE  FEBRE MACULOSA JUNTO ÀS SECRETARIAS MUNICIPAIS

Funcionários municipais que trabalham em áreas com risco de contato com carrapatos, também já receberam orientações:

AGRICULTURA

VÁRIAS INSTITUIÇÕES RECEBEM ORIENTAÇÃO SOBRE FEBRE MACULOSA ATRAVÉS DO CCZ RIO CLARO

Em junho durante reunião regional da Polícia Militar Ambiental, O CCZ de Rio Claro orientou policiais  de 46 municípios do Estado de São Paulo.

 

Equipes dos Bombeiros também receberam nossas orientações

Reuniões dos CONSEGS – Conselhos de Segurança dos bairros

 

REDES SOCIAIS

Diariamente orientações sobre Febre Maculosa são registradas em nossas redes sociais

BLOG

https://cczrioclaro.wordpress.com/2018/07/17/ccz-atualiza-informacoes-sobre-febre-maculosa-na-unesp/

RADIO

Os trabalhos continuam com agendamentos de palestras em Sindicatos de produtores rurais, cortadores de cana, escoteiros, bandeirantes,  sipats de empresas, concessionárias de rodovias , rede médico particular, convênios médicos, entre outros.

A informação em relação à Febre Maculosa é fundamental   para  que o paciente saiba da existência da doença e com isto prevenir-se adequadamente,  evitando áreas de risco ou procurando atendimento médico imediato e informando  ao profissional sobre o contato; e para os profissionais de saúde questionarem pacientes sobre a possibilidade do contato com carrapatos e assim, dar início imediato ao tratamento .

 

 

 

 

Anúncios

Bombeiros recebem orientação sobre FEBRE MACULOSA.

leave a comment »

A equipe de Informação e Educação  do Centro controle de Zoonoses estive essa semana na sede  do Corpo de Bombeiros de Rio Claro para orientações sobre Febre Maculosa.

Sabendo que nossa região tem registrado vários óbitos da doença, o CCZ foi levar informações sobre a doença, já que a equipe de Corpo de Bombeiros sempre está em áreas de risco.

Febre maculosa é uma doença transmitida pelo carrapato-estrela ou micuim da espécie Amblyomma cajennense. Esse carrapato pode ser encontrado em animais de grande porte (bois cavalos, etc.), cães, aves domésticas, roedores e, especialmente, na capivara, o maior de todos os reservatórios naturais.

Para haver transmissão da doença, o carrapato infectado precisa ficar pelo menos quatro horas fixado na pele das pessoas.

A febre maculosa tem cura desde que o tratamento com antibióticos seja introduzido nos primeiros dias, após o surgimento dos sintomas.

Os sintomas são febre alta, dor no corpo, dor da cabeça, inapetência, desânimo. Depois, aparecem pequenas manchas avermelhadas nas palmas das mãos e sola dos pés, as máculas que crescem e tornam-se salientes.

A prevenção da febre maculosa pode ser feita da seguinte forma:

Examine seu corpo cuidadosamente a cada três horas pelo menos quando for passear em áreas de mato. Use roupas claras porque facilitam enxergar melhor os carrapatos.

Coloque a barra das calças dentro das meias e calce botas de cano mais alto nas áreas que possam estar infestadas por carrapatos. Tenha cuidado ao retirar o carrapato que estiver grudado em sua pele;

* Não se esqueça de que os sintomas iniciais da febre maculosa são semelhantes aos de outras infecções e requerem assistência médica imediata. Caso sinta os sintomas procure uma unidade de saúde e avise ao Medico que esteve em contato com carrapato ou área de risco. Essa informação e muito importante e pode salvar sua vida.

CCZ ATUALIZA INFORMAÇÕES SOBRE FEBRE MACULOSA NA UNESP

leave a comment »

Visando evitar óbitos, CCZ orienta diversos setores municipais

Febre Maculosa é uma doença  com grande números de mortes em razão de seus sintomas serem semelhantes à outras  doenças,  como Dengue ou  Leptospirose.

A informação é fundamental para que  profissionais  de saúde sejam alertados e possam iniciar tratamento adequado.

O setor de educação do Centro de Controle de Zoonoses tem repassado informações sobre prevenção e tratamento da Febre Maculosas ao final de  todas palestras ministradas.

Solange Mascherpe, Chefe de Núcleo de Zoonoses e Daiana Carolina Joaquim, Agente de Endemias, participaram de Mini Curso sobre Carrapatos na UNESP, apresentado  pela Dra. Patricia Rosa de Oliveira , pelo Prof. Luiz Adriano Anholeto e professores da Esalq de Piracicaba. Esta  atualização sobre o tema,  tem como objetivo ampliar conhecimentos para serem repassados à população, evitando-se óbitos, como tem ocorrido em cidades vizinhas.

A doença começa abruptamente com um conjunto de sintomas semelhantes aos de outras infecções: febre alta, dor no corpo, dor da cabeça, inapetência, desânimo. Depois, aparecem pequenas manchas avermelhadas, as máculas, que crescem e tornam-se salientes.  A erupção cutânea é generalizada e manifesta-se também na palma das mãos e na planta dos pés;

Atraso no diagnóstico e, consequentemente, no início do tratamento pode provocar complicações graves, como o comprometimento do sistema nervoso central, dos rins e pulmões, das lesões vasculares e levar ao óbito.

Prevenção:

. Evite o contato com carrapatos. Se, por acaso, estiver numa área em que eles possam existir, como: beiras de lagos e rios, trilhas, pastos, parques, florestas, tome as seguintes precauções:

. Examine seu corpo cuidadosamente a cada três horas pelo menos, porque o carrapato-estrela transmite a bactéria responsável pela febre maculosa só depois de pelo menos quatro horas grudado na pele;

. Use roupas claras porque facilitam enxergar melhor os carrapatos;

. Coloque a barra das calças dentro das meias e calce botas de cano mais alto nas áreas que possam estar infestadas por carrapatos.

. Corte o mato e grama rente ao solo;

. Tenha cuidado ao retirar o carrapato que estiver grudado em sua pele: não esmague com as mãos ou unhas pois você pode adquirir a doença através de pequenos ferimentos na pele;

. Não se esqueça de que os sintomas iniciais da febre maculosa são semelhantes aos de outras infecções e requerem assistência médica imediata. Esteja atento ao aparecimento dos sintomas comuns a vários tipos de infecção e avise o médico para um  diagnóstico diferencial.

Não existe vacina contra a febre maculosa brasileira.

 

 

CARRAPATOS E A FEBRE MACULOSA

leave a comment »

carrapato 2

O Centro de Controle de Zoonoses teve um verão atípico em relação a carrapatos:

devido a estação ter sido com altas temperaturas e sem chuvas, foram muitas as solicitações para orientações sobre estes parasitas, o que normalmente acontece com maior frequência no inverno.

Preocupado com esta proliferação, o CCZ tem realizado pesquisas e análises em diversos locais com maior incidência e alguns casos suspeitos estão aguardando resultados de exames.

Portanto fique alerta: o homem é infectado através da picada do carrapato estrela ou micuim que eventualmente carrega a bactéria Rickettsia rickettsii nas suas glândulas salivares. Esse carrapato hematófago pode ser encontrado em animais de grande porte (bois cavalos, etc.), cães, aves domésticas, roedores, animais selvagens como os gambás, cachorros-do-mato, coelhos, tatus e cobras., e, especialmente, na capivara, o maior de todos os reservatórios naturais.

 Transmissão

Para haver transmissão da doença, o carrapato infectado precisa ficar pelo menos quatro horas fixado na pele das pessoas. Os mais jovens e de menor tamanho são vetores mais perigosos, porque são mais difíceis de serem vistos.

Não existe transmissão da doença de uma pessoa para outra.

Os primeiros sintomas aparecem de dois a quatorze dias depois da picada. Na imensa maioria dos casos, sete dias depois.

A doença começa abruptamente com um conjunto de sintomas semelhantes aos de outras infecções: febre alta, dor no corpo, dor da cabeça, inapetência, desânimo. Depois, aparecem pequenas manchas avermelhadas, as máculas, que crescem e tornam-se salientes, constituindo as maculopápulas..

A erupção cutânea é generalizada e manifesta-se também na palma das mãos e na planta dos pés, o que em geral não acontece nas outras doenças exantemáticas (sarampo, rubéola, dengue hemorrágico, por exemplo).

O diagnóstico é realizado com exame específico para o diagnóstico da febre maculosa.

Tratamento

A febre maculosa brasileira tem cura desde que o tratamento com antibióticos seja introduzido nos primeiros dois ou três dias. O ideal é manter a medicação por dez a quatorze dias, mas logo nas primeiras doses o quadro começa a regredir e evolui para a cura total.

Atraso no diagnóstico e, consequentemente, no início do tratamento pode provocar complicações graves, como o comprometimento do sistema nervoso central, dos rins e pulmões, das lesões vasculares e levar ao óbito.

Recomendações

. Evite o contato com carrapatos. Se, por acaso, estiver numa área em que eles possam existir, como: beiras de lagos e rios, trilhas, pastos, parques, florestas, tome as seguintes precauções:

. Examine seu corpo cuidadosamente a cada três horas pelo menos, porque o carrapato-estrela transmite a bactéria responsável pela febre maculosa só depois de pelo menos quatro horas grudado na pele;

. Use roupas claras porque facilitam enxergar melhor os carrapatos;

. Coloque a barra das calças dentro das meias e calce botas de cano mais alto nas áreas que possam estar infestadas por carrapatos.

. Corte o mato e grama rente ao solo;

. Tenha cuidado ao retirar o carrapato que estiver grudado em sua pele: não esmague com as mãos ou unhas pois você pode adquirir a doença através de pequenos ferimentos na pele;

. Não se esqueça de que os sintomas iniciais da febre maculosa são semelhantes aos de outras infecções e requerem assistência médica imediata. Esteja atento ao aparecimento dos sintomas comuns a vários tipos de infecção e avise o médico para um  diagnóstico diferencial.

Não existe vacina contra a febre maculosa brasileira.