DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘morcego

DIA 28 DE SETEMBRO –   DIA MUNDIAL DE COMBATE À RAIVA

leave a comment »

DIA 28 DE SETEMBRO   DIA MUNDIAL DE COMBATE À RAIVA

Para lembrar a importância de controle e prevenção do vírus da Raiva, a Aliança Global par ao Controle da Raiva (ARC), com o apoio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e da Organização Mundial de Saúde (OMS), comemoram em 28 de Setembro, o Dia Mundial contra a Raiva.

A Raiva é conhecida desde séculos, porém, apesar dos esforços de governos e organizações , ainda atinge mais de 150 países e territórios, e estima-se que seja a causa da morte de 59 mil pessoas todos os anos.

No mundo, a maioria dos casos de Raiva humana sempre ocorreram na maioria das vezes, por transmissão canina.

No Brasil, observou-se a partir do ano de 2004, uma mudança no perfil epidemiológico da Raiva em relação à transmissão de casos para humanos: os morcegos passaram a ser o principal transmissor no país, uma vez que a Raiva urbana existente em cães e gatos teve um avanço significativo de seu controle através das campanhas de vacinação, mantendo-se esporádica em algumas limitadas áreas do país. Essa situação epidemiológica atual remete os programas de controle a focos de atuação inovadores, que necessariamente envolvam participação de segmentos do Meio Ambiente, e uma filosofia de trabalho totalmente alinhada com os princípios e diretrizes da Saúde Única.

A Raiva em animais de produção é de responsabilidade do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que por meio dos órgãos da Defesa Sanitária Animal desenvolve ações de Vigilância e Controle pelo Programa de Raiva dos herbívoros, como o monitoramento e controle dos morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus e estímulo aos produtores rurais de vacinação do rebanho em áreas vulneráveis.

Campanha anual de vacinação antirrábica

Em razão da pandemia do Covid -19, as campanhas de vacinação estão suspensas pelo governo estadual e o envio de vacinas para os municípios  ficou prejudicado em razão da fabricação de outras vacinas neste período.

Apesar da suspensão das campanhas de vacinação, o Centro de Controle de Zoonoses de Rio Claro realiza  o Programa de Controle da Raiva diariamente :

.Observação animal: após receber notificação de acidente com mordedura de cães ou gatos, através da  Vigilância Epidemiológica que cuida dos humanos, o CCZ observa o animal durante 10 dias. Se for um animal de rua, ele é recolhido para observação nas dependências do órgão e após este período, é colocado para adoção.

. Morcegos: São recolhidos animais encontrados caídos ou que tiveram contato com animais de estimação. São identificados conforme a espécie pelo setor de Biologia e  enviados para análise de Raiva no Instituto  Pasteur. Animais contactantes com morcegos, são revacinados e observados por um período de até 180 dias.

O Centro de Controle de Zoonoses orienta os munícipes para que mantenham seus animais de estimação vacinados,  seja através da  rede pública, em clínicas veterinárias ou agropecuárias.

Para agendamento de vacinação, solicita-se contato antecipado através dos telefones: 3535-4441 ou 3533-7155.

Fonte: Conselho Federal de Medicina Veterinária

ENCONTREI UM MORCEGO! E AGORA?

leave a comment »

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é manual.jpg

Eventualmente recebemos mensagens e pedidos de ajuda a respeito de morcegos. Relatos de pessoas encontrando morcegos em casa não é incomum, e durante o verão, esses casos acontecem com maior frequência. Para esclarecer de uma forma completa, elaboramos este manual de como lidar em caso de adentramento de morcegos.

Lembre-se de observar o animal antes de tomar qualquer iniciativa, tente verificar comportamento característico de estresse e possíveis sintomas de doenças.

ANTES DE TUDO!!!

Tente ligar para a prefeitura, procure o contato dos órgãos responsáveis em lidar com animais silvestres. Caso não tenha sucesso em falar com a prefeitura ou órgão responsável, ligue para o Centro de Controle de Zoonoses ou a Vigilância Sanitária de sua cidade para que possam buscar o morcego.

É sempre importante alguns cuidados iniciais, e se tratando de animais silvestres, é necessário considerar registro de informações e todas as medidas de segurança e para o animal e para quem vai manejá-lo.

MANTENHA REGISTRO

Para identificar o tipo de morcego e saber a melhor maneira de lidar e cuidar dele, é importante que se registre informações de características dele.

  • Fotografe o morcego (com alguma escala, ou referência);
  • Anote características físicas dele (cauda, cores, tamanho…);
  • Coletar informações de onde o morcego foi encontrado (rua, bairro, cidade; dentro de casa ou na rua? Havia animais ou pessoas perto? É possível que outro animal tenha entrado em contato com o morcego?);
  • Procure um especialista que possa estar à disposição e identifica-lo, mesmo que apenas virtualmente, durante a situação.

CONSIDERE QUESTÕES ÉTICAS

A ética deve fundamentar todas as decisões. Destacando aqui os quatro primeiros artigos da Declaração dos Direitos dos Animais:

  • Artigo 1º – Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência.
  • Artigo 2º –
    • 1. Todo o animal tem o direito a ser respeitado.
    • 2. O homem, como espécie animal, não pode exterminar os outros animais ou explorá-los violando esse direito; tem o dever de pôr os seus conhecimentos ao serviço dos animais.
    • 3. Todo o animal tem o direito à atenção, aos cuidados e à proteção do homem.
  • Artigo 3º
    • 1. Nenhum animal será submetido nem a maus tratos nem a atos cruéis.
    • 2. Se for necessário matar um animal, ele deve de ser morto instantaneamente, sem dor e de modo a não provocar-lhe angústia.
  • Artigo 4º –
    • 1. Todo o animal pertencente a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu próprio ambiente natural, terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de se reproduzir.
    • 2. Toda a privação de liberdade, mesmo que tenha fins educativos, é contrária a este direito. O cuidado de curto e longo prazo deve ser considerado.

SEGURANÇA

Considerações sobre saúde e segurança

  • Sempre use luvas grossas de couro ou de látex e máscaras para manejo de animal silvestre.
  • Os indivíduos que vão manejar precisam estar devidamente vacinados contra o vírus da Raiva.
  • Verificar medidas necessárias para minimizar os riscos de doenças zoonóticas. Como fezes deixadas, animais possivelmente atacados… Entre outros.

É importante enfatizar que o manejo de animais silvestres deve ser evitado. Mas na falta de opções, tente ser o mais breve possível:

  • Evite estressar o animal mais que o necessário. Movimentos bruscos, gritos e conversas são estressantes. Lembre-se que o animal não sabe que você não quer feri-lo, para ele, você é um perigo em potencial.
  • Isolamento: O morcego precisa ser mantido em isolamento até a liberação.

MANEJO

Após conferidas todas as questões de informação e segurança até aqui, podemos seguir ao manejo. Há principalmente duas maneiras mais práticas de se capturar o morcego:
Captura

  • Com pano grosso ou luva de couro: Garantindo que a luva seja suficientemente grossa, espere o morcego estar quieto e calmo num local. Vá até ele e segure-o usando a mão. Em seguida, ponha-o no recipiente* (Vídeo).
  • Com Vassoura e pá: Usando vassoura e pá, se aproxime com calma e empurre o morcego lentamente em direção à pá. Ele irá andar, ajuste a pá e conduza-o com a vassoura. Em seguida, ponha-o no recipiente.
  • Balde ou caixa de papelão: Você poderá esperar o morcego se acalmar. Quando estiver em repouso, coloque a caixa de papelão ou o balde em cima dele, feche e ele ficará seguro dentro dela (Imagem).


*O recipiente pode ser um balde, caixa de papelão, vasilha, ou outra coisa profunda o suficiente para que o morcego não consiga subir.

LIBERAÇÃO

Considere questões relevantes como local, clima e altura:

  • Local: O local deve ser mais próximo possível de onde foi encontrado. Sendo caso de adentramento (de casas, construções, etc), é importante que seja num local exterior próximo. Considere deixa-lo em um muro ou nos galhos de uma árvore.
  • Clima: Morcegos tem dificuldades de voar em dias chuvosos.
  • Altura: Muitas espécies tem dificuldades em voar diretamente do chão ou de locais baixos. Considere colocá-lo em um local mais elevado como árvore ou muro.

Soltura:https://www.youtube.com/embed/PWeU2u0VwXE?version=3&rel=1&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&fs=1&hl=pt-br&autohide=2&wmode=transparent

  • Soltura diretamente das mãos: Usando a luva de couro ou com pano grosso, você poderá pegar o morcego. Abra o pano aos poucos para que o morcego possa ver o ambiente. Com o morcego estendido, levante a mão à altura do ombro. Em alguns casos, ele deverá voar imediatamente. Em outros casos, ele não voará imediatamente, então ponha-o num local alto ou aproxime-o de uma árvore, galho ou muro.

https://www.youtube.com/embed/uwzRYohIkCg?version=3&rel=1&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&fs=1&hl=pt-br&autohide=2&wmode=transparentMorcego Molossus sendo colocado numa amendoeira.

  • Soltura de outros pontos: Usando luva ou pano grosso, você poderá deixar o morcego em cima de algum galho, muro ou local mais elevado. Determinadas espécies não são capazes de voar diretamente do chão, e podem ser predadas se permanecerem no solo.

Em qualquer dos casos, o morcego poderá demorar a voar, pois fará a higienização antes de retornar ao abrigo, o que poderá levar de 30 a 40 minutos. Se possível, faça o monitoramento, verificando a cada 15 minutos se o morcego permanece no local.

AMANHECEU, MAS O MORCEGO PERMANECEU!

Nesse caso, faça uma nova tentativa de ligar para a prefeitura e procure o contato com os órgãos responsáveis em lidar com animais silvestres. Caso não tenha sucesso em falar com a prefeitura ou órgão responsável, ligue para o Centro de Controle de Zoonoses ou a Vigilância Sanitária de sua cidade para que possam buscar o morcego.

Caso estes órgãos também estejam inacessíveis, considere levar o morcego à clinica veterinária mais próxima, com as anotações e registros em mãos. Elas serão úteis para o cuidado, reabilitação e soltura do morcego.

Manual elaborado baseado no manual do Batworld.org

Fonte: @Morcegando nas redes sociais

11º Seminário sobre Raiva destaca ações de prevenção à doença

leave a comment »

O 11º Seminário de Vigilância e Controle da Raiva promovido pelo Instituto Pasteur e realizado dias 1 e 2 de outubro reuniu vários profissionais da Saúde e contribuiu para promover a atualização técnica e científica dos profissionais que atuam na área da Saúde. Foram abordados vários aspectos relacionados à doença como a importância de uma comunicação eficaz , cuja mensagem seja do entendimento de toda a população e ainda o trabalho preventivo que o setor de Saúde realiza em caso de acidente  com morcegos. Estiveram no encontro representando a Fundação Municipal de Saúde, a médica veterinária Amanda Borotti, do Centro de Controle de Zoonoses e a Chefe de Núcleo da Vigilância Epidemiológica, Eliaura Aparecida de Jesus.

O assunto em destaque foi  o papel do morcego (hematófago ou não) na manutenção do ciclo do vírus. Devido às campanhas maciças de vacinação em cães e gatos, há muitos anos o estado de São Paulo não tem o ciclo com o vírus da variante canina. Os casos de cães ou gatos positivos foram da variante de morcego. Por isso a importância de notificar o CCZ se encontrar morcego caído ou morto em sua residência, e também se o seu animal de estimação entrou em contato com ele.

Na área rural, deve-se informar a defesa agropecuária, de sua cidade ou regional, em casos de visualizar mordeduras de morcegos em bois, cavalos, porcos ou outros animais. Casos de morcegos caídos, mortos ou que entraram em contato com cães e gatos também precisam ser comunicados. Manter os animais vacinados é uma maneira de prevenção, mas é na vigilância de mordeduras que a defesa agropecuária tem maiores resultados.

O papel do médico veterinário clínico na Vigilância da Raiva também foi discutido no encontro. A médica veterinária Adriana Vieira, do Instituto Pasteur abordou o assunto informando que das 1.461 doenças reconhecidas em seres humanos, 60% são zoonoses, ou seja, doenças transmitidas do animal ao homem. Esses números mostram o quanto são importantes  ações de prevenção e, no caso específico da raiva, outros elementos são considerados fundamentais no trabalho preventivo. “Podemos citar a educação em saúde, a vacinação antirrábica, a propriedade responsável de animais, bem estar e promoção da saúde animal, registro e identificação do animal, avaliação de animais suspeitos, coleta e envio de amostras para análises”, destacou a palestrante.Também é necessário, segundo ela, que os municípios tenham conhecimento de quantos animais são vacinados nas campanhas e fora delas. Por isso criou-se um formulário que contém todas essas informações e ainda dados fornecidos por veterinários de clínicas particulares.

O seminário reuniu dezenas de profissionais de várias partes do país e fez parte do 115º aniversário de fundação do Instituto Pasteur de São Paulo.

Para mais informações sobre morcegos o Centro de Controle de Zoonoses está à disposição através dos telefones 3535-4441 ou 3533-7155. A Casa da Agricultura Rio Claro (EDA Limeira) também pode ser consultada através do telefone 35243495.

Written by I.E.C - CCZ

16/10/2018 at 10:47 am

CCZ E UNESP EM PARCERIA PARA ESTUDOS SOBRE MORCEGOS

leave a comment »

 

Morcegos são os únicos mamíferos que voam e são animais muito importantes para o meio ambiente.

Existem cerca de mil espécies de morcegos pelo mundo: os que comem insetos, outros polinizam flores, alguns comem frutos e disseminam sementes auxiliando o reflorestamento, entre outros benefícios. Três espécies são hematófagas, sendo que duas alimentam-se de sangue de aves e apenas uma, alimenta-se de sangue de mamíferos.

O objetivo dos trabalhos do Centro de Controle de Zoonoses  com morcegos são as zoonoses transmitidas, como a Raiva e a Histoplasmose.

Acadêmicos da UNESP visitaram as instalações do CCZ para uma parceria e interação de conhecimentos sobre as espécies em áreas urbanas.

Segundo  Milene Weismann e a Dra. Maria Emilia de Godoy, bióloga e veterinária do CCZ|, a  parceria entre as instituições vão auxiliar nos estudos sobre as espécies,  comportamentos e  podem auxiliar no manejo e conservação  destes animais.

Dicas importantes:

. Vacine seu animal anualmente contra a Raiva;

. Se houver contato de cão e/ou gato com morcegos, procure imediatamente o Centro de Controle de Zoonoses;

. Nunca toque no morcego. Caso encontre caído no chão, informe o Centro de Controle de Zoonoses para coleta do animal (mesmo morto);

. Caso ocorra qualquer tipo de contato ou agressão (mordida, arranhão ou lambedura), procure o Serviço de Saúde imediatamente.

 

 

 

 

Vacinação Antirrábica segue dentro da meta esperada

leave a comment »

Em mais um final de semana de vacinação antirrábica na área urbana, o resultado estimado pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) segue dentro da meta esperada. Os bairros onde a vacinação foi mais procurada foram Vila Nova, no sábado e Jardim Conduta, no domingo. “Se levarmos em conta o número de postos de vacinação distribuídos este ano em relação ao ano passado, houve um aumento de 22% na procura pela vacina”, informou a gerente do CCZ, Amanda Borotti.

O horário de maior procura nos postos de vacinação varia de acordo com o bairro, mas a população tem preferido o período da manhã para aproveitar melhor o dia. Os proprietários que tiverem a carteira de vacinação devem levá-la para manter o controle da vacina. Os que não tiverem, receberão a carteirinha para que possam apresentá-la nas demais campanhas de vacinação. A Zoonoses reforça a necessidade da vacinação nos animais domésticos. “O contato com morcegos pode colocar em risco a vida do animal e consequentemente de seu dono, caso haja contaminação pelo vírus da raiva”, explicou Amanda.

Itapira, também no interior de São Paulo confirmou na quinta-feira (10) que a cidade registrou 14 casos de raiva em animais neste ano. Em 2016, foram dois casos da doença no município. Dos 14 casos confirmados, 11 foram registrados em bovinos, dois em morcegos-vampiros e um em morcego insetívoro.

A Zoonoses ressalta ainda que caso o morador encontre um morcego caído no quintal de casa, não deve de maneira alguma tocá-lo. Mantenha os animais da casa (cães e gatos) distantes, coloque um balde sobre o morcego ou uma toalha molhada e chame o Centro de Zoonoses para que ele possa ser recolhido. Os telefones de contato do CCZ são 3535-4441 ou 3533.7155. O morcego será encaminhado ao Instituto Pasteur para análise.

Lembrando ainda que caso os proprietários de cães ou gatos não consigam vaciná-los durante a campanha, a unidade do CCZ no Distrito Industrial também realiza a vacinação, de segunda a sexta-feira, das 7h00 às 16h00. O importante é imunizar o animal, protegendo-o contra essa doença.

CCZ E SECRETARIA ESTADUAL EM MONITORAMENTO DE MORCEGOS HEMATÓFAGOS

leave a comment »

Técnicos da Secretaria Estadual de Defesa Agropecuária e do Centro de Controle de Zoonoses estão trabalhando no monitoramento de morcegos hematófagos na região.

Eles procuram e identificam as espécies com o objetivo de controlar indivíduos contaminados pelo vírus da Raiva que estão ocasionando casos em animais de grande porte em chácaras, sítios e até mesmo na zona urbana.

A campanha anual  de vacinação antirrábica será antecipada.

Na zona rural terá início no próximo dia 13/05  e a vacinação em zona urbana a partir de Junho, em pontos fixos que serão amplamente divulgados.,

Animais de pequeno porte como cães e gatos podem ser vacinados diariamente no CCZ – R. Alfa, s/nº – Distrito Industrial ou no Canil Municipal: Av. 8, Rs. 1 e 1b – Centro.

Maiores informações sobre vacinação e  cuidados em animais de grande porte como vacas, bois, cavalos, carneiros, etc,   na Casa da Agricultura:  R. 3-A, 903 – Avs. 38-A e 40-A – Vila Alemã – Telefone: 3524-3495.

Proteja seu animal: vacine!

 


 

 

Morcegos busca 05 14 (5)

Morcegos busca 05 14 (1)

 

Morcegos busca 05 14 (2)

UM MORCEGO QUE COME ESCORPIÃO

leave a comment »

Muitas espécies de morcegos são bem conhecidos por comer insetos voadores. Este come escorpiões. Como é que pode detectar presas no chão à noite? Como se evitar ser picado?morcego escorpião

Morcegos Pálidos vivem no oeste dos Estados Unidos e são do tamanho de um pardal,  mas com a envergadura de um corvo . As asas grandes lhes permitem  passar e recuperar a sua alimentação no chão. Eles têm grandes orelhas que podem ouvir os passos de um escorpião ou centopéia (outro alimento favorito).

Os morcegos parecem ser imunes às picadas de escorpião até mesmo o escorpião mais venenoso da América do Norte, o Arizona casca escorpião . Até 70% da dieta de um morcego pálida pode ser escorpiões em determinadas épocas do ano.

Mas como é que ele encontra um escorpião durante a noite no chão, uma vez que os sons de pés de um escorpião é mínimo?

Como muitos pequenos morcegos, Morcegos Pálidos  usam a ecolocalização, uma espécie de bio sonar, para “ver” no escuro. Mas, estranhamente, os Morcegos Pálidos param de usar seu sonar quando atacam presas no chão.

Então, o que eles usam para guiá-los  se o escorpião é  veloz? É apenas a sua audição sensível, ou pode também ser seus olhos?

Morcegos Pálidos têm invulgarmente grandes olhos, e várias espécies de morcegos são conhecidos por serem capazes de ver a luz ultravioleta.  Escorpiões e em menor extensão, centopeias,  apresentam forte fluorescência sob a escuridão.

-Veja também : http://blog.nature.org/science/2013/08/12/scorpion-eating-bat/#sthash.rRRBAQxz.dpuf

Isto apresenta um problema evolutivo. Se Morcegos Pálidos  localizam  escorpiões por seu florescimento, por que essa característica não foi desmarcada em escorpiões?

Afinal de contas, os escorpiões são comidos se forem apanhados pelo morcego. A fluorescência parece permitir que escorpiões encontrem  abrigo rapidamente. Um estudo recente descobriu que o corpo de um escorpião é como um gigante de olhos pretos que pode sentir sombras ultravioletas mesmo no escuro. É o que os ajuda a encontrar algum esconderijo nas proximidades rapidamente e salvar-se de um predador. Talvez seja por fluorescência que o escorpião tem ajuda contra inúmeros inimigos,  mais do que alguns morcegos super-potência.

Temos  um escorpião que serve de  alimento para  mamíferos voadores, que é imune a picadas de escorpião e  pode ouvir o farfalhar de um escorpião à distância, pode pairar acima do solo, tem localização eco, mas não utiliza-o  quando ataca escorpiões, e pode ser capaz de ver a luz ultravioleta.

Morcegos são criaturas incríveis .