DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘mosquitos

USFs REALIZAM AÇÕES CONTRA MOSQUITOS

leave a comment »

De 21 a 26 de Novembro: Semana Estadual de Mobilização de combate ao Aedes aegypti

A Atenção Básica de Rio Claro orientou às Unidades de Saúde da Família para intensificar as ações contra o mosquito Aedes aegypti , transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya durante a semana estadual de prevenção às arboviroses.

Entre as atividades realizadas pelas unidades, foram realizadas palestras, confecção de materiais, distribuição de cartazes e folhetos nas áreas atendidas, apresentação teatral e mutirão de limpeza

A forma mais eficaz para conseguir controlar o inseto e as doenças que ele pode transmitir, é a eliminação regular de criadouros; e a participação de toda sociedade nestes trabalhos é fundamental.

Parabéns aos profissionais das unidades de saúde pelas atividades de conscientização e ações realizadas junto à comunidade atendida nos respectivos bairros.

USF JARDIM NOVO

USF BOA VISTA

USF BRASÍLIA

USF FLORES

USF AJAPI

USF TERRA NOVA

USF PROGRESSO

USF PANORAMA

USF BONSUCESSO

USF SÃO MIGUEL

USF BELA VISTA

Infectologista explica aumento de casos de dengue no Brasil e como se prevenir

leave a comment »

Quando comparado com 2021, houve um aumento de 175,1% do começo de 2022 até a última semana de novembro


Karen Oliveira

Os casos de dengue voltaram a crescer no Brasil. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, até a última semana de novembro o país registrou cerca de 1,3 milhões de casos prováveis de dengue (taxa de incidência de 651,9 casos por 100 mil hab.). Quando comparado com o ano de 2021, houve um aumento de 175,1% no mesmo período.

Até novembro, o país registrou 951 óbitos confirmados pela doença e outros 114 em investigação, segundo a Pasta. Além do número de casos, o Brasil passa atualmente pelo período anual de ascensão da dengue, que de acordo com o Ministério da Saúde, ocorre nos meses mais chuvosos de cada região, geralmente de novembro a maio.

Em conversa com o site da TV Cultura, a Dra. Sandra Gomes de Barros, infectologista e professora do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro, explica esse aumento. Antes de tudo, ela ressaltou que foi possível realizar uma notificação maior de casos em 2022 por conta da Covid-19, foco da saúde nos últimos dois anos.

“Para além disso, estamos em um período de chuvas mais intenso, todos os dias chove, com altas temperaturas. Essas variações climáticas são muito favoráveis para proliferação do mosquito aedes”, explica Sandra.

A infectologista também não descarta como fator que contribui para o aumento de casos a precariedade de saneamento básico das cidades: “Temos condições socioculturais e econômicas da nossa população que também favorecem doenças infecciosas que são endêmicas, mas também são sazonais, que dependem de certos períodos como a dengue”.

Ela também classifica como preocupante estarmos passando pelo período anual de ascensão da dengue neste momento, justamente pela gravidade que o quadro de infecção pode chegar.

“A dengue, apesar de ser uma doença benigna, pode ter um curso desfavorável. Pode evoluir com hemorragias, com complicações com disfunção de múltiplos órgãos, pode levar o paciente à morte. Vai depender de quem é esse paciente que vai adquirir a dengue, às vezes estamos falando de um paciente renal crônico, de um paciente transplantado, do paciente oncológico que já tem as suas defesas comprometidas, enfim. Então uma doença viral com ela é o suficiente para o desenvolvimento de um quadro mais grave”, exemplifica a profissional da saúde.

Como se prevenir

“É importante reforçar os cuidados que conhecemos, como tomar cuidado com água nos nossos quintais, não deixar água parada no vaso das plantas, tomar cuidado com as chuvas, etc.

“Se for viajar para uma região onde tenha bastante mosquito, proteja as janelas com telas, use mosquiteiros, use repelentes, cubra as partes do corpo (com calça comprida e blusa de manga longa para proteger os membros), essas coisas que valeriam a pena para fazer como preventivo”, diz a infectologista.

Essas ações individuais devem ser somadas às ações de orientação dos governos federal e estadual. É dever do Estado realizar as visitas domiciliares para detectar focos de proliferação, além do vapor da pulverização para tentar atingir o mosquito.

A Dra. Sandra Gomes de Barros ainda divulga a existência de uma vacina contra a dengue, disponível apenas na rede privada, e aplicada somente para quem já teve dengue.

Em caso de sintomas, procure um médico

A dengue é uma doença de notificação compulsória, então assim que os hospitais detectarem casos suspeitos, devem notificar. Em caso de qualquer sintoma como dor de cabeça, náuseas, vômitos, dor abdominal, coceira e manchas na pele, procure um médico para receber as orientações de tratamento.

“O tratamento da dengue é sintomático. Faça a testagem para ver se é dengue, Chikungunya, ou Zika, que são doenças provocadas pelo mesmo vetor. A diferença entre uma doença e outra vai ser na gravidade e na intensidade dos sintomas, mas são doenças provocadas pelo mesmo mosquito e é bom ter o diagnóstico para fazer o tratamento de suporte dos sintomas clínicos adequados”, conclui Sandra.  

Fonte:  cultura.uol.com.br

QUEM VAI AJUDAR A ELIMINAR CRIADOUROS DE MOSQUITOS?

leave a comment »

De 21 a 26 de Novembro: Semana Estadual de Mobilização de combate ao Aedes aegypti

Alunos da E.M. Profª Djiliah Camargo de Souza ficaram atentos às informações da palestra sobre o Mosquito Aedes aegypti e comprometeram-se a levar as “dicas” para eliminação de criadouros para seus amigos e familiares.

Mosquitos nascem diariamente em qualquer local ou quantidade de água parada; e a mobiliação de todos na eliminação de criadouros, é fundamental para o controle dos insetos e das doenças que eles podem transmitir.

PROJETO BANDEIRANTES CONTRA MOSQUITOS

leave a comment »

De 21 a 26 de Novembro é a Semana Estadual de Mobilização de combate ao Aedes aegypti

O Projeto Bandeirantes convidou o setor de Educação e Comunicação do CCZ para palestra sobre o Mosquito Aedes aegypti e as arboviroses que ele pode transmitir, como: Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela.

A direção do projeto também convidou a banda do projeto Pró Jovem que após a palestra, saíram pela ruas do bairro chamando a atenção dos moradores que, ao abrirem suas casas, receberam dos alunos e professores, folhetos informativos sobre o tema.

O modo mais eficaz para o controle destas doenças, é a eliminação dos criadouros de mosquitos: qualquer local ou quantidade de água parada. E para isto, a participação de toda sociedade é fundamental.

Parabéns ao Projeto Bandeirantes por esta importante iniciativa e ações que, além de conscientizar os jovens atendidos, estendeu as informações a familiares e toda a vizinhança.

JOVENS DO PROJETO ADRA RECEBEM INFORMAÇÕES DO CCZ

leave a comment »

O Centro de Controle de Zoonoses apresentou a palestra “Lixo = Bicho” aos jovens atendidos pelo projeto para conhecerem os problemas, os animais e doenças causadas pelo lixo descartado incorretamente.

O Projeto PAI – Plano de Assistência à Infância – um núcleo da ADRA – Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais, desenvolve o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Familiares e Comunitários à crianças e adolescentes na cidade de Rio Claro, atendendo os bairros Bom Sucesso, Jardim Novo Wenzel e Bom Retiro em conjunto com a Prefeitura Municipal de Rio Claro.

PREVENÇÃO À DENGUE NOS CEMITÉRIOS

leave a comment »

Após o Dia de Finados, equipes dos Agentes de Endemias realizam trabalhos preventivos contra o mosquito Aedes aegypti nos cemitérios da cidade.

Para evitar o acúmulo de água, eles retiram embalagens plásticas dos vasos de flores e verificam locais que possam servir de criadouros para mosquitos.

A colaboração de toda sociedade no controle de criadouros é fundamental para o controle dos mosquitos que podem transmitir diversas arboviroses como: Dengue. Zika, Chikungunya, Febre Amarela e Febre Mayaro.

BRIGADA REFORÇA PROTEÇÃO À DENGUE

leave a comment »

Representantes das escolas municipais atuarão como multiplicadores de informações

Rio Claro realizou o 1º Encontro dos Brigadistas Municipais contra o Aedes. A brigada é constituída por representantes das 64 escolas municipais, indicados pela equipe gestora, e auxiliarão no combate ao mosquito transmissor da dengue. Para isso, os brigadistas receberam da Fundação Municipal de Saúde orientações referentes à doença e sua prevenção. O encontro foi realizado pela Secretaria Municipal da Educação, por meio do Centro de Aperfeiçoamento Pedagógico (CAP), no auditório do Núcleo Administrativo Municipal (NAM).

“A dengue é um problema que atinge a todos e a prevenção é a melhor maneira de combatê-la”, destacou Valéria Velis, secretária da Educação, ressaltando a importância dos brigadistas e da união de todos na luta contra o Aedes.

A proposta da brigada contra o Aedes é de que os membros atuem como multiplicadores das informações em seus locais de trabalho e em suas residências, explica Edison Norberto de Andrade, coordenador de Educação Ambiental da Secretaria Municipal da Educação, que ministrou a atividade com Solange Mascherpe, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Rio Claro, e Vanessa Magri, da coordenação pedagógica do CAP.

“Com uma checagem de no mínimo 10 minutos, uma vez por semana, é possível eliminar criadouros, interromper o ciclo do transmissor e evitar o nascimento de novos mosquitos, o que já é uma grande ajuda”, informa Solange, reforçando a importância da conscientização da comunidade.

A brigada contra a dengue somará aos demais esforços realizados pelo município no combate à doença. As orientações aos brigadistas serão realizadas trimestralmente. A meta é ampliar os debates incluindo outras zoonoses, conscientizando também sobre outras doenças e as formas de prevenção.

Fonte: Assessoria Imprensa PMRC

Vírus da dengue e zika manipulam odor para atrair mosquitos

leave a comment »

Pesquisa confirma que, após infecção com flavivírus, o cheiro do corpo dos hospedeiros é modificado, a fim de torná-los mais apetitosos para os insetos transmissores, intensificando a proliferação das doenças tropicais.

Os vírus causadores da dengue e zika são capazes de “sequestrar” o odor corporal do hospedeiro, tornando-o mais atraente para os mosquitos. Os insetos são os principais vetores de certas doenças tropicais, ao picar um animal saudável após haver sugado o sangue de outro infectado.

Um estudo científico publicado pela revista Cell em 30 de junho mostrou que quando humanos e camundongos são infectados com os vírus da dengue ou zika, eles secretam uma substância química que os torna mais apetitosos para os mosquitos.

Uma pesquisa de 2014 já mostrara que o parasita plasmódio, causador da malária, tem a propriedade de manipular o cheiro do corpo do hospedeiro para atrair mosquitos, promovendo a própria proliferação. Então, partindo da hipótese de que os vírus das doenças tropicais desenvolveram um mecanismo semelhante, os cientistas resolveram perguntar aos próprios insetos.

Dois grupos de camundongos foram colocados em áreas cercadas: um infectado com os flavivírus causadores da zika ou dengue, o outro saudável. Quando então tiveram opção de escolher o sangue de quem preferiam sugar, dois terços mosquitos preferiram o cerco dos animais infectados.

“Sugue meu sangue, estou doente”

Para compreender o mecanismo por trás desse resultado, os pesquisadores também tiraram amostras do ar dentro dos cercos. Segundo o coautor Gong Cheng, foi detectado um total de 422 substâncias químicas voláteis, apenas algumas das quais diferiam entre os dois locais.

Testes subsequentes demonstraram que o que mais estimulava o olfato dos insetos predadores era a acetofenona, substância encontrada naturalmente em alimentos como maçãs, damascos, bananas, couve-flor, queijo e carne de vaca. Porém as cobaias contaminadas com vírus a produziam em quantidade dez vezes superiores ao grupo de controle.

O próximo passo foi “perfumar” com acetofenona os camundongos – e alguns voluntários humanos –, o que confirmou que os mosquitos são de fato atraídos por seu cheiro.

Cheng e colegas constataram que os níveis mais elevados do composto são causados por interações entre a microbiota epidérmica dos hospedeiros, os flavivírus e os mosquitos. As bactérias produtoras de acetofenona crescem naturalmente na pele, e em condições normais seu crescimento é gerido por uma proteína antimicrobiana secretada pelas células epidérmicas.

Nos pacientes de dengue ou zika, porém, essa proteína é menos ativa, o que eleva os níveis de acetofenona, atraindo mosquitos famintos. Ou seja: os flavivírus instrumentalizam o cheiro da substância para se proliferar.

Remédio de acne contra a dengue?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a cada ano 390 milhões de indivíduos são infectados com o vírus da dengue. Quase a metade da população mundial vive em áreas em que há risco de contrair a moléstia, e a má infraestrutura de tratamento pode contribuir para níveis de mortalidade desnecessariamente elevados.

Assim, estão se analisando meios para coibir a emissão de acetofenona depois que ocorre uma infecção, a fim de reduzir as picadas de mosquitos transmissores. Uma possibilidade é isotretinoína, um medicamento antiacne derivado da vitamina A, produzido comercialmente.

Em laboratório, os camundongos portadores de zika ou dengue que receberam o produto oralmente perderam atratividade olfativa para mosquitos, que passaram a encará-los como se não estivessem infectados.

“Talvez vamos desenvolver um caminho inédito para interromper a disseminação de flavivírus por mosquitos no futuro”, anuncia Cheng. As pesquisas devem continuar, já que ainda não se pode excluir que os humanos secretem compostos voláteis diferentes dos das cobaias.

Fonte: DW Brasil

RAP DA DENGUE É COMPOSTO POR ALUNOS DA ESCOLA JOAQUIM RIBEIRO

leave a comment »

Durante as aulas de biologia do prof. Alexsandro Vieira, na Escola Estadual Joaquim Ribeiro, o setor de Educação e Comunicação do Centro de Controle de Zoonoses foi convidado para palestra sobre zoonoses resultantes do descarte incorreto de lixo.

Após a apresentação os alunos realizaram várias atividades relativas ao tema e entre elas, criaram o primeiro Zoonocast, um podcast sobre zoonoses com questões elaboradas pelos alunos
à palestrante do CCZ, Solange Mascherpe.

https://cczrioclaro.wordpress.com/2022/05/20/e-e-joaquim-ribeiro-produz-podcast-sobre-zoonoses/

Após nova palestra apresentada à escola: ” Mosquitos e as arboviroses transmitidas”, o interesse pelo tema e novas atividades foram organizadas.

Os alunos e irmãos Francisco Raí e Ryan Araújo, autores de várias composições, criaram o “Rap da Dengue” para o episódio número dois do podcast.

A gravação foi realizada no estúdio “Rogério Rossini” da Secretaria de Cultura, que fica localizado dentro do prédio do Centro Cultural Roberto Palmari, com equipamentos profissionais e o técnico Cassiano que orientou os alunos e editou a criação.

O Rap da Dengue, além de inserido no podcast, será utilizado pelo CCZ em carros de som em trabalhos preventivos pelos bairros da cidade, valorizando a arte da autoria e interesse dos alunos compositores.

Esta parceria entre sociedade e poder público é fundamental para a conscientização relativa à eliminação de criadouros de mosquitos e prevenção às doenças que eles podem transmitir, as arboviroses, e a utilização da linguagem cotidiana utilizada pelos jovens, auxilia em um maior entendimento do problema e ações que podem contribuir para melhoria da saúde de toda comunidade.

Centro de Controle de Zoonoses participa do “Projeto Stop Aedes”

leave a comment »

Alunos da E.E. Chanceler Raul Fernandes estão participando do “Projeto Stop Aedes”, organizado pelos professores de biologia Caroline Rodrigues de Souza Stencel e Giovane Ícaro Alves.

O Centro de Controle de Zoonoses foi convidado para uma palestra sobre o mosquito Aedes aegypti, vetor de diversas arboviroses como: dengue, zika, chikungunya, febre amarela e febre mayaro.

O objetivo é que após a apresentação, os alunos repassem as informações recebidas a outros colegas e organizem ações preventivas na escola e que sejam estendidas às famílias.

A conscientização e a participação de toda sociedade, é fundamental para o controle de criadouros e consequentemente, dos mosquitos e das doenças que eles podem transmitir.