DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘mosquitos

BRIGADA REFORÇA PROTEÇÃO À DENGUE

leave a comment »

Representantes das escolas municipais atuarão como multiplicadores de informações

Rio Claro realizou o 1º Encontro dos Brigadistas Municipais contra o Aedes. A brigada é constituída por representantes das 64 escolas municipais, indicados pela equipe gestora, e auxiliarão no combate ao mosquito transmissor da dengue. Para isso, os brigadistas receberam da Fundação Municipal de Saúde orientações referentes à doença e sua prevenção. O encontro foi realizado pela Secretaria Municipal da Educação, por meio do Centro de Aperfeiçoamento Pedagógico (CAP), no auditório do Núcleo Administrativo Municipal (NAM).

“A dengue é um problema que atinge a todos e a prevenção é a melhor maneira de combatê-la”, destacou Valéria Velis, secretária da Educação, ressaltando a importância dos brigadistas e da união de todos na luta contra o Aedes.

A proposta da brigada contra o Aedes é de que os membros atuem como multiplicadores das informações em seus locais de trabalho e em suas residências, explica Edison Norberto de Andrade, coordenador de Educação Ambiental da Secretaria Municipal da Educação, que ministrou a atividade com Solange Mascherpe, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Rio Claro, e Vanessa Magri, da coordenação pedagógica do CAP.

“Com uma checagem de no mínimo 10 minutos, uma vez por semana, é possível eliminar criadouros, interromper o ciclo do transmissor e evitar o nascimento de novos mosquitos, o que já é uma grande ajuda”, informa Solange, reforçando a importância da conscientização da comunidade.

A brigada contra a dengue somará aos demais esforços realizados pelo município no combate à doença. As orientações aos brigadistas serão realizadas trimestralmente. A meta é ampliar os debates incluindo outras zoonoses, conscientizando também sobre outras doenças e as formas de prevenção.

Fonte: Assessoria Imprensa PMRC

Vírus da dengue e zika manipulam odor para atrair mosquitos

leave a comment »

Pesquisa confirma que, após infecção com flavivírus, o cheiro do corpo dos hospedeiros é modificado, a fim de torná-los mais apetitosos para os insetos transmissores, intensificando a proliferação das doenças tropicais.

Os vírus causadores da dengue e zika são capazes de “sequestrar” o odor corporal do hospedeiro, tornando-o mais atraente para os mosquitos. Os insetos são os principais vetores de certas doenças tropicais, ao picar um animal saudável após haver sugado o sangue de outro infectado.

Um estudo científico publicado pela revista Cell em 30 de junho mostrou que quando humanos e camundongos são infectados com os vírus da dengue ou zika, eles secretam uma substância química que os torna mais apetitosos para os mosquitos.

Uma pesquisa de 2014 já mostrara que o parasita plasmódio, causador da malária, tem a propriedade de manipular o cheiro do corpo do hospedeiro para atrair mosquitos, promovendo a própria proliferação. Então, partindo da hipótese de que os vírus das doenças tropicais desenvolveram um mecanismo semelhante, os cientistas resolveram perguntar aos próprios insetos.

Dois grupos de camundongos foram colocados em áreas cercadas: um infectado com os flavivírus causadores da zika ou dengue, o outro saudável. Quando então tiveram opção de escolher o sangue de quem preferiam sugar, dois terços mosquitos preferiram o cerco dos animais infectados.

“Sugue meu sangue, estou doente”

Para compreender o mecanismo por trás desse resultado, os pesquisadores também tiraram amostras do ar dentro dos cercos. Segundo o coautor Gong Cheng, foi detectado um total de 422 substâncias químicas voláteis, apenas algumas das quais diferiam entre os dois locais.

Testes subsequentes demonstraram que o que mais estimulava o olfato dos insetos predadores era a acetofenona, substância encontrada naturalmente em alimentos como maçãs, damascos, bananas, couve-flor, queijo e carne de vaca. Porém as cobaias contaminadas com vírus a produziam em quantidade dez vezes superiores ao grupo de controle.

O próximo passo foi “perfumar” com acetofenona os camundongos – e alguns voluntários humanos –, o que confirmou que os mosquitos são de fato atraídos por seu cheiro.

Cheng e colegas constataram que os níveis mais elevados do composto são causados por interações entre a microbiota epidérmica dos hospedeiros, os flavivírus e os mosquitos. As bactérias produtoras de acetofenona crescem naturalmente na pele, e em condições normais seu crescimento é gerido por uma proteína antimicrobiana secretada pelas células epidérmicas.

Nos pacientes de dengue ou zika, porém, essa proteína é menos ativa, o que eleva os níveis de acetofenona, atraindo mosquitos famintos. Ou seja: os flavivírus instrumentalizam o cheiro da substância para se proliferar.

Remédio de acne contra a dengue?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a cada ano 390 milhões de indivíduos são infectados com o vírus da dengue. Quase a metade da população mundial vive em áreas em que há risco de contrair a moléstia, e a má infraestrutura de tratamento pode contribuir para níveis de mortalidade desnecessariamente elevados.

Assim, estão se analisando meios para coibir a emissão de acetofenona depois que ocorre uma infecção, a fim de reduzir as picadas de mosquitos transmissores. Uma possibilidade é isotretinoína, um medicamento antiacne derivado da vitamina A, produzido comercialmente.

Em laboratório, os camundongos portadores de zika ou dengue que receberam o produto oralmente perderam atratividade olfativa para mosquitos, que passaram a encará-los como se não estivessem infectados.

“Talvez vamos desenvolver um caminho inédito para interromper a disseminação de flavivírus por mosquitos no futuro”, anuncia Cheng. As pesquisas devem continuar, já que ainda não se pode excluir que os humanos secretem compostos voláteis diferentes dos das cobaias.

Fonte: DW Brasil

RAP DA DENGUE É COMPOSTO POR ALUNOS DA ESCOLA JOAQUIM RIBEIRO

leave a comment »

Durante as aulas de biologia do prof. Alexsandro Vieira, na Escola Estadual Joaquim Ribeiro, o setor de Educação e Comunicação do Centro de Controle de Zoonoses foi convidado para palestra sobre zoonoses resultantes do descarte incorreto de lixo.

Após a apresentação os alunos realizaram várias atividades relativas ao tema e entre elas, criaram o primeiro Zoonocast, um podcast sobre zoonoses com questões elaboradas pelos alunos
à palestrante do CCZ, Solange Mascherpe.

https://cczrioclaro.wordpress.com/2022/05/20/e-e-joaquim-ribeiro-produz-podcast-sobre-zoonoses/

Após nova palestra apresentada à escola: ” Mosquitos e as arboviroses transmitidas”, o interesse pelo tema e novas atividades foram organizadas.

Os alunos e irmãos Francisco Raí e Ryan Araújo, autores de várias composições, criaram o “Rap da Dengue” para o episódio número dois do podcast.

A gravação foi realizada no estúdio “Rogério Rossini” da Secretaria de Cultura, que fica localizado dentro do prédio do Centro Cultural Roberto Palmari, com equipamentos profissionais e o técnico Cassiano que orientou os alunos e editou a criação.

O Rap da Dengue, além de inserido no podcast, será utilizado pelo CCZ em carros de som em trabalhos preventivos pelos bairros da cidade, valorizando a arte da autoria e interesse dos alunos compositores.

Esta parceria entre sociedade e poder público é fundamental para a conscientização relativa à eliminação de criadouros de mosquitos e prevenção às doenças que eles podem transmitir, as arboviroses, e a utilização da linguagem cotidiana utilizada pelos jovens, auxilia em um maior entendimento do problema e ações que podem contribuir para melhoria da saúde de toda comunidade.

Centro de Controle de Zoonoses participa do “Projeto Stop Aedes”

leave a comment »

Alunos da E.E. Chanceler Raul Fernandes estão participando do “Projeto Stop Aedes”, organizado pelos professores de biologia Caroline Rodrigues de Souza Stencel e Giovane Ícaro Alves.

O Centro de Controle de Zoonoses foi convidado para uma palestra sobre o mosquito Aedes aegypti, vetor de diversas arboviroses como: dengue, zika, chikungunya, febre amarela e febre mayaro.

O objetivo é que após a apresentação, os alunos repassem as informações recebidas a outros colegas e organizem ações preventivas na escola e que sejam estendidas às famílias.

A conscientização e a participação de toda sociedade, é fundamental para o controle de criadouros e consequentemente, dos mosquitos e das doenças que eles podem transmitir.

QUEM VAI AJUDAR A ELIMINAR CRIADOUROS DE MOSQUITOS DIARIAMENTE? 

leave a comment »

Alunos do ensino fundamental da E.M. Luis Martins Rodrigues Fº, no bairro Novo Wenzel, receberam informações sobre mosquitos e as doenças que eles transitem e irão realizar campanha de conscientização no entorno da escola com distribuição de folhetos e solicitando à população local para que não descarte lixo nos terrenos do bairro.

Parabéns à escola pela iniciativa de cidadania junto aos alunos.

E.M. VICTORINO MACHADO REALIZA AÇÕES CONTRA MOSQUITOS

leave a comment »

Alunos do PEI – Programa de Educação Integral da Escola Victorino Machado estão realizando várias atividades para prevenção de arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

O setor de Educação e Comunicação do CCZ foi convidado para palestra orientando sobre os hábitos e curiosidades sobre o inseto.

Após a apresentação as crianças realizaram trabalhos de artesanato, produziram larvicida natural para utilização em suas residências e confeccionaram folhetos para distribuição na vizinhança.

A conscientização de toda comunidade é fundamental para o controle dos criadouros de mosquitos e consequentemente da transmissão da Dengue, Zika, Chikungunya, Febre Amarela e Febre Mayaro.

ALUNINHOS DA E.M.BENJAMIM FERREIRA APRENDEM SOBRE MOSQUITOS

leave a comment »

O setor de Educação e Comunicação esteve na E.M.Benjamim Ferreira para ensinar sobre o mosquito Aedes aegypti e as doenças que eles podem transmitir

O objetivo é o conhecimento de onde mosquitos botam seus ovos, a prevenção de arboviroses através da eliminação de seus criadouros e a disseminação destes ensinamentos para toda a família.

A palestra foi ministrada com o auxílio da mosquita marionete, de forma lúdica, para melhor entendimento das crianças de 03 a 05 anos.

Após a apresentação, as crianças assistiram filme de animação e receberam revistas da turma da Mônica contra o Aedes.

E.E. JOAQUIM RIBEIRO PRODUZ PODCAST SOBRE ZOONOSES

leave a comment »

Após a apresentação do CCZ sobre lixo, bicho e Zoonoses, os alunos realizaram várias atividades sobre o assunto e organizaram um Seminário do Itinerário Formativo. Cada estudante escolheu uma zoonose e montou a apresentação no CANVA, e em seguida ministrou para os colegas.

Dando segmento ao interesse pelas doenças transmitidas por animais, o CCZ foi novamente convidado para uma palestra sobre Mosquitos e as arboviroses transmitidas, como a Dengue, Zika, Chikungyna e Febre Amarela.

Após a apresentação, foi gravado um Podcast criado pelos alunos e denominado “Zoonocast”, entrevistando a palestrante Solange Mascherpe do setor de educação e comunicação Centro de Controle de Zoonoses de Rio Claro, sanando as principais dúvidas dos adolescentes sobre as zoonoses de nosso município.

Nossos agradecimentos à direção da escola, aos alunos e ao professor Alexsandro pelo interesse e iniciativas que só fazem aumentar o conhecimento e assim, o controle das arboviroses.

CCZ VISTA PROJETO BEIJA FLOR PARA ORIENTAÇÃO SOBRE MOSQUITOS E DENGUE

leave a comment »

O Projeto Beija-Flor, anexo ao CRAS Independência, realiza reuniões semanais para o setor da Melhor Idade.

Aproveitando o momento, os organizadores convidaram o setor de Educação e Comunicação do CCZ para orientar os participantes sobre os cuidados para evitar a Dengue e outras arboviroses como a Zika e Chikungunya.

Com muito interesse e simpatia do público, as informações da palestra foram complementadas com folhetos que levaram para compartilhar com seus familiares.

Índice de larvas do Aedes cresce nas casas de Rio Claro e município está em alerta para a dengue

leave a comment »

Registro chegou a 3,83, com larvas do mosquito em 128 das 138 amostras coletadas. Acima de 4 representa risco de epidemia, segundo a OMS.

Com alto índice de densidade larvária do mosquito Aedes Aegypti, Rio Claro está em situação de alerta para a dengue.

Das 138 amostras coletadas em 2,5 mil casas, entre os dias 4 e 11 de abril, apenas 10 não tinham larvas do mosquito, gerando índice de 3,83, conforme classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS). O levantamento anterior, realizado em janeiro, foi de 3,66.

Diante desse cenário, tem intensificado as ações de combate ao mosquito, percorrendo as ruas do município, que soma 124 casos da doença neste ano.

Ações

Com o alerta, a cidade faz ações como a nebulização. O alvo são os bairros com maior incidência de casos positivos da doença, como o Universitário.

Os agentes passam de casa em casa para aplicar o produto. “A gente tem a equipe com 3 pessoas. As meninas abordam para que a população abra a residência, tanto janelas e portas, para o veneno entrar e matar o mosquito”, disse a chefe da seção de endemias, Valdirene Bordim.

“A gente sabe que acima de 4 corre-se o risco de uma epidemia. A população precisa tomar o cuidado de eliminar os criadouros, não pode partir só do poder público. Dentro das residências foram encontrados muitos locais onde o mosquito está se proliferando. Para não ter a epidemia, precisa ter esse controle e diminuir o foco dos criadouros”, destacou a diretora de Vigilância em Saúde, Susi Berbert.

De acordo com OMS, os índices são classificados como:

  • inferiores a 1%: satisfatórios;
  • 1% a 3,9%: situação de alerta;
  • superiores a 4%: risco de surto.

SINTOMAS E TRATAMENTO DA DENGUE

Existem quatro tipos de vírus de dengue – sorotipos 1, 2, 3 e 4. A dengue é caracterizada pelos seguintes sintomas:

  • febre
  • dor no corpo
  • dor de cabeça
  • dor atrás dos olhos
  • manchas pelo corpo
  • mal estar
  • falta de apetite

É essencial fazer tanto um diagnóstico clínico – que avalia os sintomas – como o exame laboratorial de sorologia, que verifica a contagem de hematócritos e plaquetas no sangue. A contagem de hematócritos acima do normal e de plaquetas abaixo de 50 mil por milímetro cúbico de sangue pode ser um indício de dengue.

VEJA 10 DICAS PARA PREVENIR OS CRIADOUROS DO AEDES:

  • Cobrir caixas d’água, cisternas, poços e evitar entupimentos de calhas.
  • Vedar com cimento os cacos de vidro nos muros que podem acumular água.
  • Colocar em sacos plásticos, fechar e colocar no lixo copos descartáveis, embalagens, tampas, cascas de ovo e tudo que possa acumular água.
  • Não deixar pneus expostos ao tempo, nunca permitindo acúmulo de água dentro deles.
  • Usar cloro em piscinas, limpá-las com frequência e cobri-las quando não estiverem em uso.
  • Limpar as bandejas externas das geladeiras e ar-condicionado.
  • Esvaziar garrafas, latas e baldes. Guardá-los em local coberto.
  • Guardar garrafas pet e de vidro sempre com a boca para baixo. Guardá-las em local coberto.
  • Lavar semanalmente, com bucha, sabão e água corrente, os vasilhames de alimentação de animais.
  • Lavar os pratinhos dos vasos de plantas e colocar areia até a borda. Evitar plantas como as bromélias, que acumulam água.

Fonte: G1