DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘vet

Platinosomose felina: a doença da lagartixa

leave a comment »

O Platinosoma é um parasita comum em lagartixas, e como nossos gatinhos adoram caçar esses pequenos repteis, a possibilidade de contrair uma doença chamada Platinosomose é muita alta.

Segundo análises, não são todas as lagartixas que possuem esses parasitas, porém todo cuidado é pouco.

Quais são seus sintomas?

Os sintomas estão relacionados as doenças hepáticas, causando  inflamação dos figados e/ou na vesícula biliar, podendo levar até mesmo a falência do seu peludinho.

Os principais sintomas causados pela doença “Platinosomose” são:

  • Febre;
  • Mucosas amareladas;
  • Vômito;
  • Perda de peso;
  • Diarreia;
  • Urina mais amarelada.

Caso seu gatinho esteja apresentando estes sintomas, e você o tenha visto em contato com uma lagartixa, o ideal é leva-lo imediatamente para uma consulta ao veterinário.

Como é o tratamento dessa doença?

Segundo os pesquisadores e veterinários, o tratamento é considerado muito eficiente, quando a doença é identificada em seus primeiros graus de infestação do parasita. Portanto, é de extrema importância analisar seu gatinho e leva-lo imediatamente para uma consulta com seu veterinário.

Após a confirmação da doença, o tratamento é realizado através de remédios antiparasitários, podendo ser necessário a internação e hidratação com soro para casos de desidratação do seu peludinho.

Como posso evita-la?

A melhor maneira para evitar que seu gatinho  tenha contato com lagartixas é manter o ambiente sempre limpo, e utilizar brinquedos que estimulem seu instinto animal de caça. Dessa forma, ele terá menos contato com o ambiente externo e irá satisfazer suas necessidades de caçar certas presas.

Fonte : Dr. Pet

DIA 28 DE SETEMBRO –   DIA MUNDIAL DE COMBATE À RAIVA

leave a comment »

DIA 28 DE SETEMBRO   DIA MUNDIAL DE COMBATE À RAIVA

Para lembrar a importância de controle e prevenção do vírus da Raiva, a Aliança Global par ao Controle da Raiva (ARC), com o apoio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e da Organização Mundial de Saúde (OMS), comemoram em 28 de Setembro, o Dia Mundial contra a Raiva.

A Raiva é conhecida desde séculos, porém, apesar dos esforços de governos e organizações , ainda atinge mais de 150 países e territórios, e estima-se que seja a causa da morte de 59 mil pessoas todos os anos.

No mundo, a maioria dos casos de Raiva humana sempre ocorreram na maioria das vezes, por transmissão canina.

No Brasil, observou-se a partir do ano de 2004, uma mudança no perfil epidemiológico da Raiva em relação à transmissão de casos para humanos: os morcegos passaram a ser o principal transmissor no país, uma vez que a Raiva urbana existente em cães e gatos teve um avanço significativo de seu controle através das campanhas de vacinação, mantendo-se esporádica em algumas limitadas áreas do país. Essa situação epidemiológica atual remete os programas de controle a focos de atuação inovadores, que necessariamente envolvam participação de segmentos do Meio Ambiente, e uma filosofia de trabalho totalmente alinhada com os princípios e diretrizes da Saúde Única.

A Raiva em animais de produção é de responsabilidade do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que por meio dos órgãos da Defesa Sanitária Animal desenvolve ações de Vigilância e Controle pelo Programa de Raiva dos herbívoros, como o monitoramento e controle dos morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus e estímulo aos produtores rurais de vacinação do rebanho em áreas vulneráveis.

Campanha anual de vacinação antirrábica

Em razão da pandemia do Covid -19, as campanhas de vacinação estão suspensas pelo governo estadual e o envio de vacinas para os municípios  ficou prejudicado em razão da fabricação de outras vacinas neste período.

Apesar da suspensão das campanhas de vacinação, o Centro de Controle de Zoonoses de Rio Claro realiza  o Programa de Controle da Raiva diariamente :

.Observação animal: após receber notificação de acidente com mordedura de cães ou gatos, através da  Vigilância Epidemiológica que cuida dos humanos, o CCZ observa o animal durante 10 dias. Se for um animal de rua, ele é recolhido para observação nas dependências do órgão e após este período, é colocado para adoção.

. Morcegos: São recolhidos animais encontrados caídos ou que tiveram contato com animais de estimação. São identificados conforme a espécie pelo setor de Biologia e  enviados para análise de Raiva no Instituto  Pasteur. Animais contactantes com morcegos, são revacinados e observados por um período de até 180 dias.

O Centro de Controle de Zoonoses orienta os munícipes para que mantenham seus animais de estimação vacinados,  seja através da  rede pública, em clínicas veterinárias ou agropecuárias.

Para agendamento de vacinação, solicita-se contato antecipado através dos telefones: 3535-4441 ou 3533-7155.

Fonte: Conselho Federal de Medicina Veterinária

POR QUE CACHORROS COMEM FEZES ?

leave a comment »

O nome científico para o hábito do cão de comer fezes é a coprofagia.

Algumas raças como: Shitzu, Lhasa e York tem uma predisposição a praticar a coprofagia .

Alguns motivos que os levam a comer as fezes:

1 – Parasitas 🦠
Um dos principais motivos que pode levar seu cão a comer fezes é a presença de parasitas em seus intestinos.
Esses vermes podem estar absorvendo os nutrientes, sendo assim, com mais fome ele acaba se sentindo atraído pelas fezes ricas em substancias não digeridas.

2 – Dieta pouco nutritiva ❌🍽️
Assim como nós, os cachorrinhos podem comer alimentos errados e não ter uma dieta equilibrada.
Rações de baixa qualidade tendem a ser mais difíceis de serem digeridas, se as fezes do cão tem uma alta quantidade de ração não digerida, ele pode cheirar e achar muito mais apetitoso do que o cocô comum.

3 – Deficiência de enzimas 🧪
As enzimas digestivas são proteínas essenciais para ajudar na absorção de nutrientes no organismo, a deficiência dessas enzimas acaba fazendo com que o animal elimine substancias não-digeridas pelas fezes.
Assim o animal acaba comendo as fezes para suprir a falta de calorias.

4- “Tédio” 🥱
Um animal que vive em um local com pouco enriquecimento ambiental acaba procurando formas de chamar atenção, uma delas é comer fezes, principalmente animais jovens.

Se o seu animal tiver esse hábito, procure um veterinário.

Fonte: @vaivetrc