DENGUE: SE VOCÊ AGIR, PODEMOS EVITAR

Posts Tagged ‘vigilância

Jardim Boa Vista tem mutirão contra a dengue neste sábado

leave a comment »

O trabalho de combate à dengue também é feito de segunda a sexta-feira.

O trabalho de combate à dengue é contínuo em Rio Claro e entre as ações adotadas pela prefeitura para evitar a proliferação do mosquito transmissor estão os mutirões realizados aos sábados. Neste sábado (4) os agentes estarão no Jardim Boa Vista, mais uma vez, com o apoio do caminhão cata bagulho. “A comunidade daquele bairro deve colocar nas calçadas, logo pela manhã, os materiais a serem descartados para que os agentes façam o recolhimento”, observa Diego Reis, gerente do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ).

Das 8 às 13 horas, agentes do CCZ irão percorrer a região, vistoriando residências e recolhendo objetos que podem ser utilizados como criadouros do Aedes aegypti, que além de dengue, transmite zika vírus, chikungunya e febre amarela. De janeiro a abril, cerca de  18 toneladas de criadouros foram recolhidas nos bairros durante os 11 mutirões de limpeza.

O trabalho realizado pela Secretaria Municipal de Saúde inclui ainda orientações à comunidade e visitas casa a casa durante a semana. A mais recente Análise de Densidade Larvária (ADL) registrada no município apontou índice de 1,7, situação de alerta segundo escala da Organização Mundial de Saúde. Para o levantamento foram visitadas 2.500 residências e em 441 delas foram encontradas larvas do mosquito. Neste trabalho também foram identificados 4.549 recipientes que poderiam acumular água e se tornarem criadouros do mosquito.

Boletim divulgado na quinta-feira (2) pela Vigilância Epidemiológica mostra que o número de casos de dengue confirmados em Rio Claro chegou a 138 neste ano. “O empenho e colaboração de todos na eliminação dos criadouros é fundamental para que possamos evitar a dengue”, ressalta Maria Clélia Bauer, secretária de Saúde.

 

Anúncios

Saúde convoca o cidadão para que o combate ao mosquito faça parte da rotina

leave a comment »

O alerta vem no período do ano em que se observa maior risco de proliferação do Aedes e também quando o brasileiro mais viaja, deixando os imóveis fechados

 

Com a chegada do verão, período chuvoso e quente, o brasileiro deve redobrar os cuidados com a limpeza de caixas d’água, piscinas, calhas de telhados, pratos de vasos de plantas. É preciso cuidado também com os quintais das casas para não amontoar lixo com sacos plásticos, garrafas, pneus ou qualquer outro objeto que possa acumular água da chuva. O alerta é do Ministério da Saúde e vale, inclusive, para as pessoas que vão viajar e deixar os imóveis fechados nesse período. Isso porque, qualquer recipiente com água, mesmo que em pequena quantidade, pode virar um criadouro do mosquito transmissor da dengue, Zika e chikungunya num curto período de tempo.

Os ovos do mosquito Aedes permanecem vivos por cerca de um ano sem água e basta apenas um contato com umidade para que as larvas apareçam. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, reforça o apelo para que as pessoas incluam as medidas de combate ao aedes nas atividades cotidianas do ano novo.

“Criar o hábito de toda sexta-feira fazer uma vistoria no seu imóvel e nas redondezas do mesmo, seja ele o local de trabalho, apartamento, casa ou sítio. Se cada cidadão fizer a sua parte, evitando água parada e descoberta em locais que possam servir de criadouros de mosquito, juntos estaremos fazendo um grande mutirão semanal de limpeza em todo o país”, ressaltou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Tampar os grandes depósitos de água, cobrir piscinas, manter os ambientes limpos removendo o lixo e limpar com bucha as laterais e bordas de recipientes com água, como os vasos de planta, são medidas simples que evitam a proliferação do mosquito transmissor dessas três doenças que podem até matar.

AÇÕES – O Ministério da Saúde tem intensificado o combate à reprodução do mosquito Aedes aegypti em parceria com estados e municípios. Prova disso, é a garantia de um orçamento crescente aos estados, municípios e Distrito Federal para ações de vigilância, que incluem o combate ao vetor das doenças dengue, Zika chikungunya. Os recursos cresceram 51% nos últimos anos, passando de R$ 924,1 milhões para R$ 1,4 bilhão entre 2010 e 2016. Para 2017, a previsão é de R$ 1,9 bilhão.